Tag: hq

Mister No – Era uma Vez em Nova York

No próximo domingo (20), a Editora 85 irá lançar uma nova campanha no Catarse onde trará as obras Morgan Lost #3, Dampyr #7 e a estreia da minissérie integral Hellnoir e de Almanaque Mister No #1 com a história “Era Uma Vez em Nova York”.

A Confraria Bonelli fará uma live especial com a participação do editor da 85 Leonardo Campos e o tradutor Júlio Schneider, onde será comentado sobre todos os lançamentos e sobre a campanha que iniciará no domingo mesmo durante a Live.

Era uma vez em Nova York

Manhattan, 1936. Na Nova Iorque da Grande Depressão, cresce um menino inquieto chamado Jerry Drake. É um amuleto de boa sorte para o gigantesco Trem Kowalsky, o maior dos boxeadores de rua da época. E ele está perigosamente fascinado pelo gangster Frankie “Missa Cantada” Nigro, de quem é seu protegido. Jerry também se tornará um “bom rapaz” como ele?

Maurizio Colombo é um roteirista pouco convencional. Na Sergio Bonelli Editore começou a escrever em Zagor, Nick Raider e Mister No, até criar, junto a Mauro Boselli a série mensal Dampyr. Hoje em dia, este talento não mais escreve quadrinhos. É uma pena, pois Colombo, se continuasse seria o herdeiro natural de Sergio Bonelli.

Era uma Vez em Nova York é um exemplo perfeito disso. Diferente de Mister No Revolução, de Michele Masiero que narra a juventude de Mister No passando pela Guerra do Vietnã, publicada no Brasil pela Panini em três partes, Era uma vez em Nova York narra a juventude de Mister No da série regular, que nasceu em Nova York na década de 1930, lutou na Segunda Guerra Mundial e depois foi parar no Amazonas.

Colombo constrói uma jornada fascinante e nostálgica para Jerry Drake (Mister No) em sua infância, onde morou na área norte de Manhattan, perto do Harlem. A história acontece na metade da década de 1930 e o jovem Jerry vive em meio a bandidos de médio porte sem futuro. Ele verá seu melhor amigo ser morto por um idiota, irá aspirar a se tornar um gângster como seu mentor, conseguindo descobrir por si mesmo qual é o caminho certo a seguir.

É o próprio Mister No adulto que narra a história reconstituindo os lugares de sua juventude agitada, tudo ao estilo e ritmo do filme Amarcord (1973), de Frederico Fellini. O título Amarcord é uma referência à tradução fonética da expressão a m’ arcord (eu me lembro), usada na região da Emilia-Romagna, onde o diretor nasceu. Federico Fellini sempre negou que o filme fosse uma autobiografia, mas reconhecia que existiam semelhanças com a sua própria infância em Rimini.

Trailer de Amacord, onde a atmosfera do filme está presente nas páginas de Era uma vez em Nova York:

Claro que O Rei do Sertão e Magia Negra são obras-primas consideradas pelos fãs de Mister No, ambas já publicadas pela 85 na série Especial, mas Era uma vez em Nova York é uma obra apaixonante que merece estar entre as melhores histórias do personagem. Em especial se quisermos compreender as origens de um personagem tão fora da caixa quanto Mister No.

As evidências ao cinema ficam evidentes a todo momento a começar pelo título, que remete aos filmes de Sergio Leone, em especial a “Era uma vez na América” que tem a mesma temática e acontece na mesma época.

Colombo também insere na trama filmes de gângster de Hollywood, passando por clássicos do cinema mudo como Asas (1927), de William Wellman, que aumenta a paixão do jovem Jerry pela aviação.

Mas o ponto alto desta história é a galeria de personagens que Colombo insere na trama de quase trezentas páginas, onde se destaca o maior vilão com um coração de ouro, Frankie “Messacantata” (Frankie Missa Cantada Nigro na versão da Editora 85), uma espécie de Robin Hood que não perdoa os infames e protege os indefesos.

O gângster Frankie “Messacantata” é inspirado no ator Chistopher Walken, mas a risada é claramente reinventada no modelo Jack Nicholson quando interpretou o Coringa em Batman (1989). Já o assassino da máfia, Carmine, conhecido como Zanzara lembra o personagem Mabuse da história em quadrinhos Um Homem de Chicago de Alfredo Castelli e Giancarlo Alessandrini.

Walken em O Último Matador (1996)

Iremos conhecer também o personagem Trem Kowalsky, um boxeador de rua dotado de grande humanidade.  A tia de Jerry que espera ansiosamente por seu irmão que foi lutar na guerra da Espanha e tem que suportar um marido policial violento e “incorruptível”; e, finalmente, o aspirante a gênio da música Ray Dubois que acompanha esta história com notas de jazz.

Em uma aventura tão cheia de ação e emoção, não poderia faltar o amor do pequeno Jerry por Lizzie, um amor não correspondido como a maioria dos amores juvenis, cheio de decepções e ressentimentos.

Os desenhos de Giovanni Bruzzo completam esta grande obra, reconstruindo com perfeição o clima retrô de um filme de gângsteres e imergindo o leitor naquele fedor nauseante e típico dos bairros populares da Grande Maçã. Bruzzo imprime um estilo clássico, perfeito para uma história de aventura.

Esta história foi lançada em Maxi Mister No #2 em 1999, e se destaca claramente das outras do herói a que estamos acostumados, oferecendo-nos uma das melhores histórias da própria Bonelli dos últimos anos. Um verdadeiro afresco histórico que uma vez lido não é esquecido.

Almanaque Mister No #1

Esta nova proposta da Editora 85 quer trazer histórias completas de Mister No, especialmente da série Maxi, já que as da série Speciale já saem em Mister No Especial, que já está na sexta edição. O Almanaque terá 292 páginas com miolo offset e capa cartão supremo com orelhas. Formato italiano.

Para saber mais acompanhe a live de lançamento da campanha da 85 no canal da Confraria Bonelli. A live acontece no domingo (20) a partir das 20 horas.

Napoleone – Uma estranha aventura da Bonelli

1ª edição de Napoleone

Quando lançado em 1997, Napoleone não recebeu toda a publicidade que os quadrinhos da Bonelli geralmente recebiam em seus lançamentos. Foi algo destinado a um nicho de leitores, que acabou se revelando menor do que se esperava, findando assim, em 2006, uma publicação que não merecia ter sido encerrada.

Carlo Ambrosini criou todas as características do personagem, incluindo sua aparência que lembra muito, no início pelo menos, de Marlon Brando em O último Tango em Paris. Napoleone se revela um thriller/noir introspectivo e psicológico, cheio de conteúdos e referências culturais, para apaixonar o leitor ou abandoná-lo após algumas páginas. Em consenso, era algo que não parecia pertencer à Bonelli.

Marlon Brando em O Último Tango em Paris serviu de referência visual à Napoleone.

Um dos fatores mais estranhos de Napoleone é ele se passar na Suíça, precisamente em Genebra. Ambrosini comenta que, “originalmente, o cenário deveria ser Milão, minha cidade. Eu tinha localizado o Hotel Astrid, uma pensão da qual Napoleone é proprietário, na Via Paolo Sarpi: a Chinatown milanesa. Lamento por não ter feito em Milão, porque, sem dúvida, eu poderia ter feito muito mais coisas com facilidade. Porém, a preocupação de que houvesse um realismo topográfico pudesse comprometer negativamente o protagonista. O exilamos na Suíça, em Genebra, cidade da qual pouco conheço e que creio que o nosso público também pouco sabe. A cidade suíça, no entanto é só um pretexto, pois certamente os elementos narrativos de Napoleone o leva a explorar os mais variados lugares”.

O Personagem

Napoleone Di Carlo, nasceu em Addis Ababa, na Etiópia, após a Segunda Guerra Mundial. Filho de pai italiano e mãe francesa, que “deu-lhe uma educação ocidental (fazendo-o estudar em uma escola italiana). Mas o jovem Napoleone, ao mesmo tempo, assimilou a cultura mais arcaica, impregnada de animismo e espiritualidade primitiva, do país africano em que cresceu e pelo qual se sente fortemente atraído.

Para entender melhor, o animismo abrange a crença de que não há separação entre o mundo espiritual e o mundo físico e de que existem almas ou espíritos, não só em seres humanos, mas também em animais, plantas, rochas, montanhas ou rios, etc.

Napoleone é um solitário, dedicado à leitura e entomologia (que estuda os insetos), em particular aos besouros. É o oposto do homem clássico de ação. Prefere a reflexão, introspecção, análise, atende a dúvida antes de qualquer certeza. É uma pessoa muito racional, e é por ser racional que é extremamente lúcido, dando motivos para que dois coadjuvantes da série recorram com frequência a ele, o Inspetor Dumas e o Inspetor Adjunto Boulet, que envolvem Napoleone em casos complicados da polícia suíça.

Napoleone tornou-se policial, mas seu entusiasmo pela profissão se exauriu com o fracasso na captura de um criminoso que, disfarçado de empresário credenciado na embaixada italiana, praticava o comércio de escravos. Agora, ex-policial, no início da série, Napoleone tem 35 anos, e o vemos decidido a dirigir, principalmente no período noturno, seu albergue, o Astrid Hotel, ajudado pela Sra. Simenon.

A relação entre investigação policial e o mundo onírico

A série Napoleone tinha a intenção de ser algo do gênero giallo (policial) e noir, ao estilo do diretor Alfred Hitchcock (Psicose) e do escritor Raymond Chandler (O Longo Adeus). No entanto, isso é só um pano de fundo para as investigações especiais de Napoleone. Na verdade, ele experimenta uma profunda anomalia: elementos psíquicos produzidos por sua imaginação, e visíveis apenas para ele, interagem sem sua percepção da realidade cotidiana, dialogando com ele na forma de três bizarras estatuetas, chamadas Lucrezia, Caliendo e Scintillone.

Lucrezia é uma ninfa que afirma e representa a sensibilidade feminina. Uma espécie de Sininho, do Peter Pan, com direito a relação ciumenta que ela tem com o protagonista; Caliendo é um mordomo pedante e normativo; Scintillone é um pequeno tolo, intolerante com regras e disciplina. Tem uma forma estranha de um peixe ou anfíbio.

Estes três elementos são para Napoleone a confirmação da existência de um mundo diferente do físico, que acabam interferindo no mundo físico, às vezes subvertendo radicalmente o julgamento das situações. Na sucessão dos acontecimentos do dia-a-dia, assim como nos acontecimentos da história, o acaso desempenha um papel determinante.

Durante suas aventuras, Napoleone está em contínua interconexão com o mundo real e um lugar situado fora do tempo e do espaço, onde vivem todas as “figuras” produzidas pela imaginação humana ao longo dos séculos, do Minotauro a Pinóquio… Lá, sonhos, pesadelos, fantasias, delírios e assim por diante coexistem lado a lado, esperando que seus legítimos produtores humanos os solicitem.

No lugar fora do espaço e do tempo, Napoleone é acompanhado por um cavalo falante, filósofo e estudioso que ostenta um sotaque bolonhês improvável. Onde fica este lugar? A legenda que acompanha a mudança de cenário sempre diz “acima dos lagos, dos vales, das montanhas, dos bosques, das nuvens, dos mares, além do sol, do éter e dos limites das esferas estreladas”, como se fosse um endereço, uma espécie de “segunda estrela à direita e depois direto até a manhã”, como em Peter Pan.

Apesar disso, as aventuras que Ambrosini nos contou ao longo de quase nove anos puderam abranger os mais variados registros narrativos: desde investigações tradicionais a casos intrincados mas com inimigos convencionais (máfia russa, traficantes de arte, drogas ou o misterioso arqui-inimigo Cardeal) para lutas com entidades fantásticas e aparentemente irreais como as Harpias, as Sereias, Belerofonte, o Deus Pã, o conde Drácula, o ator James Cagney, xamãs africanos. Tudo isso muitas vezes com a presença leve e simpática da coadjuvante, a adolescente Allegra, órfã que está sob a tutela de Napoleone.

Com o número 54 e com a morte do odiado Cardeal, terminaram as aventuras de Napoleone. Uma série que deixou saudades na Itália, uma das melhores produções já realizadas pela Bonelli em se tratando de qualidade, originalidade e análise aprofundada.

O time de Ambrosini

A escrita de Ambrosini é dotada de uma imaginação e criatividade assustadora e por sorte, foi acompanhado por desenhistas incríveis, mas muito diferentes uns dos outros. Carlo Ambrosini cresceu artisticamente em um período em que a experimentação era imprescindível. Suas primeiras experiências como autor completo viram luz no que pode ser definido como o crepúsculo dos quadrinhos de autor, em que a referência eram autores do calibre de Guido Buzzelli, Sergio Toppi, Guido Crepax e Dino Battaglia.

Ambrosini desenhou sete edições de Ken Parker, em 1987 estreou em Dylan Dog, em 1997 criou Napoleone e em 2008 realizou a minissérie Jan Dix. Ambrosini desenhou o Tex Gigante 19 – O Preço da Vingança e hoje, está no time de desenhistas de Dylan Dog.

Ambrosini desenhou todas as capas e escreveu a maioria das histórias de Napoleone. Outros roteiristas são Diego Cajelli, Paolo Bacilieri e Alberto Ostini. Entre os desenhistas, além do próprio Ambrosini, está Baclilieri, Marco Nizzoli, Giulio Camagni, Gabriele Ornigotti e Pasquale Del Vecchio

Destaque especial a Paolo Bacilieri cuja obra autoral, Fun, foi recentemente publicada no Brasil pela Editora Veneta.

A ideia original era que a série terminasse em 8 números. Porém, devido a dedicação que o grupo de artistas deram, apoiando Ambrosini na criação das primeiras edições convenceu a Segio Bonelli Editore a prolongar sua vida editorial. Mas, as vendas não foram encorajadoras. A série terminou em julho de 2006 no número 54, em uma edição onde Napoleone enfrenta seu arqui-inimigo, o Cardeal, para decidirem o destino da humanidade.

Em 2014 Napoleone dá as caras em um crossover com Dylan Dog na edição Color Fest n.12. A história intitulada Buggy é escrita por Ambrosini com desenhos de Paolo Bacilieri e cores de Erika Bendazzoli.

Em 2016, na Lucca Comics & Games, Ambrosini fez uma prévia do volume “Napoleone: Além das fronteiras das esferas estreladas”, com a proposta de trazer três das melhores histórias escritas e desenhadas por ele mesmo, na série regular. O volume foi publicado em 30 de novembro de 2016. Em outubro do mesmo ano, foram anunciadas três histórias inéditas, escritas por Ambrosini com a colaboração de Bacilieri e Giulio Camagni que foram publicadas em três números de Le Storie, a partir de junho de 2019. Números 81, 82 e 83. Uma delas inclusive, se passa em São Paulo.

Le Storie #81, é a primeira parte de uma trilogia que marca o retorno de Napoleone. O personagem parece fisicamente envelhecido, pois o tempo passou para ele e para os leitores. O agente Boulet amadureceu e Allegra é uma jovem prestes a se abrir para a vida.

Estamos aqui em um momento delicado da vida de Allegra e Napoleone, que está com ciúmes e com preocupações normais de um pai, dividido entre o desejo de proteção e a necessidade de libertar a menina para voar com as próprias asas.

Em Le Storie #82, Napoleão 2 – Sra. Robinson, com roteiro de Ambrosini e arte de Paolo Bacilieri. Numa clínica para idosos, destruída por um incêndio, o mal reaparece numa das suas formas mais assustadoras. A relação de Napoleone com Allegra se complica, a garota, nos braços de um artista viciado em morfina, parece se perder perigosamente, sendo relegada ao papel de testemunha indefesa.

Le Storie #83, Napoleone 3 – O inferno no Céu, roteiro de Ambrosini e desenhos de Giulio Camagni. Em São Paulo, na miséria de uma favela, jovens caem como moscas, ceifados por uma nova e poderosa droga alucinógena. Tudo parece pior pela sombra do mais temível inimigo de Napoleone, o retorno do Cardeal. Napoleone cruza o Atlântico em sua caça.

Capa da última edição de Napoleone. n. 54

Obra com somente roteiros e artes de Paolo Bacilieri, autor de Fun. Foi publicado pela Rizzoli & Lizzard.

Caminho para Le Storie! Edições 6 a 10

Aqui na Confraria tínhamos: “Séries Bonelli que talvez nunca vejamos no Brasil”, que se tornou altamente datada porque felizmente surgiram várias editoras que começaram a publicar as séries que comentamos. A intenção dessa nova empreitada é apresentar todas as edições de Le Storie. Uma série altamente rica em sua proposta com histórias incríveis e que valem a pena serem publicadas no Brasil.

Já falamos das edições 1 a 5 AQUI. E continuamos a empreitada:

Le Storie #6 – Retorno a Berlim (Ritorno a Berlino)

Roteiro: Paolo Morales

Arte: Paolo Morales e Davide de Cubellis

Capa: Aldo di Gennaro

 “Osiris 2”… o que é isso?

Ninguém parece saber, mas é certo que dizer estas palavras em público pode acabar lhe custando a vida. O jovem Max, um repórter de Berlim, foi salvo da morte certa por acaso, ele está ciente disso. René, um senhor idoso que, sob o aspecto inofensivo, esconde as habilidades mais mortais de um agente secreto… Afinal, o que une esses personagens, aparentemente distantes?

O sexto número de Le Storie gira em torno de um legado. Algo irônico, já que foi a última história escrita por Paolo Morales, levado por uma doença quando ainda não tinha nem sessenta anos. Na história, a Berlim libertada fica em segundo plano e o ritmo da ação é essencialmente íntimo e silencioso, contrabalanceado pelas reverberações festivas da libertação de Berlim em 1989.

O desenvolvimento da história se passa na Berlim nos dias de hoje, e os eventos do passado e presente vão se aproximando até se fundirem.

Os desenhos detalham as figuras e não se perde muito em paisagens e ambientes. Os personagens Max e Helen tem ótimas personalidades, a ponto de “saírem” das páginas. Uma ótima história de um artista que fará falta.

 

 

Le Storie #7 – A Patrulha (La Pattuglia)

Roteiro: Fabrizio Accatino

Arte: Giampiero Casertano

Capa: Aldo di Gennaro

Vietnã, 1967. O capitão Artz tem uma desagradável missão dada por seu superior direto: entrar na selva da Indochina – no meio daquela guerra absurda – para recuperar uma patrulha que havia desaparecido um ano antes. Um punhado de soldados para recuperar outros, enviados para o desconhecido, à mercê da morte e de seus medos…

A Guerra do Vietnã é uma fonte de inspiração para autores de qualquer campo artístico: diretores, escritores, músicos e roteiristas fizeram dela parte das histórias do imaginário contemporâneo. A Patrulha, se passa nesse cenário, onde Fabrizio Accatino, auxiliado nos desenhos por Giampiero Casertano, nos fala sobre a missão da equipe comandada pelo Capitão Artz, enviada à selva em busca da Foxtrot A patrulha 2/1, que desapareceu misteriosamente.

 

Accatino cria uma boa história, bem caracterizada e sem dúvida cativante. Que mistura o drama da guerra com uma sutil, mas inquietante veia de horror, onde a dúvida e a incerteza se instala no leitor se tornando a principal fonte de tensão. Uma história que não decepciona até o dramático e comovente final.

A Patrulha tem suas raízes em filmes de guerra, não só em Apocalypse Now, mas principalmente baseada no filme coreano R-Point, dirigido por Su-Chang Kong em 2004, do qual retoma quase inteiramente a ideia e a sequência de eventos.

A luz e sombra na obra de Casertano conquistam. Algumas páginas inteiras e quadros cuja estrutura e composição são bem detalhadas, valem muito a pena.

Esta Le Storie tem um ótimo timing narrativo e fonte de reflexão sobre a guerra. A patrulha perdida é uma metáfora para uma geração perdida, engolida por um horror inimaginável. Uma “geração perdida” enviada ao matadouro para reverberar o colonialismo ocidental.

O final, como já dito, é comovente, onde a correspondência entre um dos integrantes da equipe do Capitão Artz e sua mãe acompanha os melancólicos quadrinhos de encerramento, lembrando quantas famílias perderam seus filhos em uma das incontáveis e inúteis guerras.

Le Storie #8 – Amor Negro (Amore Nero)

Roteiro e desenhos: Gigi Simeoni

Capa: Aldo Di Gennaro

O comissário Vitalis deve investigar o assassinato brutal de Francesco, irmão mais novo de sua esposa, Ada. O caso, no entanto está fadado a se complicar quando um cenário sobrenatural surge para quebrar as regras da investigação científica. O mundo das trevas em uma alma negra cresce…

Gigi Simeoni nos lança à Milão na virada do século XX com a história “Amor Negro”. A história é abundante em registros literários, que mesclam o panfleto feminino da época, processual e horror, tudo incluído em um intrigante cenário histórico. Porém, o desenvolvimento da história se precipita em um final abrupto que deixa o leitor perplexo.

A linguagem e a prosa são modernas, com diálogos sem pretensão, mas elegantes em nos situar no ar retro da Milão do início do século XX. Se o assunto é ambicioso, o roteiro é corajoso. Mistura o amante e vingativo, além do amor entre o super-policial e a bela deficiente sensível, com aspectos sobrenaturais. Estes últimos são particularmente originais, e graficamente detalhados com maestria.

Não faltam ideias em Amor Negro: das simbologias florais à representação mediúnica da vida após a morte. Porém existe a compressão de muitos elementos no espaço estreito de uma revista de quadrinhos, com número de páginas determinadas.

Por fim, Amor Negro é uma história em quadrinhos que pode ser apreciada e confirma a qualidade de toda a série Le Storie.

Teaser:


Le Storie #9: Impasse Mexicano (Mexican Standoff)

Roteiro: Diego Cajelli

Desenhos: Matteo Cremona

Capa: Aldo Di Gennaro

Ao longo da fronteira entre os Estados Unidos e o México – terra de “contrabando”, drogas e migrantes – um homem emerge do esquecimento após ter tocado na morte. Quem é ele realmente? Quem curou suas feridas? O que esconde em seu passado? A memória redescoberta trará consigo um cenário tenebroso de violência e vingança criminosa… mas também as sombras de presenças muito mais misteriosas. Algo que vem de longe: do abismo do tempo e do espaço…

Antes de tudo, vamos entender o que é um Impasse Mexicano, ou  Mexican Standoff, nome original da trama: Sabe nos filmes de ação quando todos levantam as armas e ficam apontando um para o outro? É isso, um impasse mexicano.

Reyes é um bandido que deveria estar morto, mas foi encontrado vivo depois de meses no deserto: em sua pele há um vestígio de cura inexplicável.

Além disso temos os seguintes elementos: Um traficante de drogas que eliminou todos os rivais e estende sua rede para além da fronteira; Estrangeiros alojados em uma base secreta dos EUA, que não são prisioneiros, mas dão ordens; Luzes que descem do céu e memórias de vidas passadas; Reyes, que pode não ser o que parece ser. Tudo isto, Diego Cajelli traz para o nono número de Le Storie.

Nos quatro quintos da história o roteiro acumula ideias: confronto dentro de uma gangue criminosa, exploração do trabalho de crianças sem futuro, contraste entre o frenesi da cidade e a serenidade das aldeias que parecem esquecidas pelo presente. Planos de vingança, amizade viril, amores perdidos, intriga, corrupção e traição. E então os alienígenas não são realmente alienígenas, entidades que não percebem o tempo, os poderes psíquicos e a transmigração das almas.

O ritmo da narrativa é administrado entre cenas de ação em alta velocidade e momentos de tranquilidade, onde são inseridos os elementos que criam expectativas. Os personagens são definidos de forma a sugerir algo mais do que é mostrado: seu passado, suas motivações, como e porque se encontraram naquela confusão de acontecimentos.

Matteo Cremona, muito eficaz nas cenas de ação, sempre construída com o ritmo adequado e com uma pincelada que comunica bem a velocidade, e capaz de transmitir, com o branco, uma sensação palpável de calor, o que aumenta a tensão.

Aí quando chega no final… a estrutura até então bem construída desmorona. Em um curto-circuito estrutural em que os elementos de mistério se revelam instrumentos para administrar um final, não dão sentido à história. Somos deixados cheios de perguntas e a dúvida de ter perdido algo no caminho.

Dá a impressão de nos encontrarmos em um episódio piloto, ou uma história pensada para uma duração muito maior e depois comprimida, sem uma revisão que adaptasse o enredo. Hábil em agradar as expectativas durante o percurso e eficaz no impacto gráfico, a história deixa, junto com muitos momentos intensos, a sensação de uma oportunidade perdida.

Le Storie #10 – Ninguém (Nobody)

Roteiro: Alessandro Bilotta

Arte: Pietro Vitrano

Capa: Aldo Di Gennaro

Ninguém… é assim que todos o chamam. “Ninguém”, o louco, o bêbado, o visionário. Como suspeitar que o maior explorador, o navegador mais incansável, se esconde naquele homem à deriva? No entanto, é assim, e Ninguém vai provar para o mundo inteiro, lançando-se em uma incrível aventura – povoada por monstros e heróis lendários – em busca do amor perdido.

Esta é a segunda obra de Le Storie com roteiro de Alessandro Bilotta e narra uma possível reescrita da saga de Ulisses, da Odisseia. Com elementos presentes em quase todas as enciclopédias de leitores ocidentais (Julio Verne, Salgari, Melville), Bilotta constroi uma história que permanece em equilíbrio entre a realidade e o sonho, entre a história dos marinheiros e uma simples viagem mental, num turbilhão apaixonado e emocionante, em que Ninguém, um novo Ninguém, procura a sua Penélope.

O autor gosta de inserir personagens e citações, verdadeiras homenagens às suas paixões, mesmo às custas de fazer da história um simples divertimento, uma homenagem às leituras do passado.

O desenhista estreante na Bonelli, Pietro Vitrano, não fica mal graças ao seu estilo denso, rico em tintas e preto, mas com boa legibilidade, como manda a tradição Bonelli.

 

Até os próximos Le Storie!

Mythos estuda lançar nova coleção de Dylan Dog

Em outubro de 1986 a Sergio Bonelli lançou Dylan Dog #1, O Despertar dos Mortos Vivos. No Brasil, Dylan começou a ser publicado em 1991 pela Editora Record. Desde então acompanhamos o personagem criado por Tiziano Sclavi em suas aventuras com humor nonsense, surreais, com muita ação, mistério e terror. No Brasil o personagem já viveu altos e baixos sendo publicado por quatro editoras diferentes. Hoje, podemos dizer que estamos vivendo o melhor momento do Investigador do Pesadelo no Brasil.

A Mythos que já publicou 40 números do personagem em formatinho, agora publica duas coleções: Clássica e Nova Série. Publica também Graphic Novels, o Almanaque do Pesadelo e especula lançar mais uma coleção em 2021.

Na live do canal BlogBuster (https://www.youtube.com/watch?v=qj-CZgparI8&t=2237s), Joana Rosa Russo, editora da Mythos ao ser questionada sobre uma possível coleção de Dylan Dog Classic, com publicações desde o primeiro volume de Dylan, destacou que a editora não pretende lançar uma coleção assim, mas estuda lançar uma coleção de alguma fase do personagem: “A gente prefere lançar por fase, mas como está saindo algumas ristampas (reimpressões) na Itália, a gente talvez acabe publicando uma coleção Tiziano Sclavi. Mas é tudo especulação”, destacou Joana.

Claro que não vamos tirar nenhuma conclusão disso, mesmo que os leitores da Bonelli aqui no Brasil sintam falta de mais histórias clássicas de Dylan, em especial de Tiziano Sclavi, criador do personagem. Mas vamos listar algumas coleções lançadas na Itália que seriam muito interessantes para serem publicadas por aqui:

IL DYLAN DOG DI TIZIANO SCLAVI (O Dylan Dog de Tiziano Sclavi)

Série mensal que propôs trazer em 24 volumes as melhores histórias de Tiziano Sclavi. A série iniciou em maio de 2017 com “Através do Espelho” e foi até abril de 2019 com “O Longo Adeus.” O acabamento dessa edição lembra publicações americanas de terror dos anos 1950.

As capas são simples, em uma cor parda com um desenho realizado por Gigi Cavenago, atual capista de Dylan Dog. Todas as edições são coloridas ao estilo dos anos 1950 e com as páginas mais amareladas. A série foi publicada em banca com 112 páginas cada edição e compila ótimas histórias realizadas pelo criador de Dylan.

A série foi um enorme sucesso e a Sergio Bonelli Editore depois publicou packs (caixas) com quatro edições cada.

LIBRI DYLAN DOG (Uma espécie de Dylan Dog Anual)

Outra ótima coleção de Dylan lançada pela Bonelli é esta em capa dura. Até o momento foram lançados 5 volumes e cada um compila cinco histórias indispensáveis do Investigador do Pesadelo.

O formato lembra As Grandes Aventuras de Tex, recém lançado pela Editora Mythos. Cada volume tem em média 500 páginas e as histórias são selecionadas com base em um tema. Por exemplo:

O primeiro volume, Angeli i Demoni compila histórias com demônios e anjos (ah, jura?) que acabam atravessando o caminho de Dylan. Lançado em 2016 compila Dylan Dog #6 “A Beleza do Demônio” com roteiro de Tiziano Sclavi e arte de Gustavo Trigo. Dylan Dog #141 “O Anjo Exterminador”, de Pasquale Ruju e arte de Nicola Mari. “O Mistério de Veneza”, publicado em Dylan Dog #184 com roteiro de Ruju e arte de Angelo Stano. Dylan Dog #221, “O Toque do Demônio” de Paola Barbato e arte de Fabio Celoni. E encerra com “O céu pode esperar”, de Michele Masiero e arte de Corrado Roi, publicado em Dylan Dog #229.

E o volume dois se mostra bem mais interessante para ser lançado no Brasil neste momento. Intitulado Xabaras, a edição traz histórias que recontam o passado de Dylan com histórias cruciais e roteirizadas por Tiziano Sclavi e arte de Angelo Stano. Nela consta Dylan Dog #1, “O Despertar dos Mortos Vivos”. Em seguida vem “Morgana”, publicada em Dylan Dog #25. Dylan enfrenta Xabaras em “História de Ninguém”, publicada em Dylan Dog #43 e o volume conclui com “A História de Dylan Dog”, publicado em Dylan Dog #100. Este volume tem uma história a menos que as outras.

Esta coleção sai anualmente e seria uma ótima ideia ter um Dylan Dog Anual nesse sentido. Uma alternativa para quem pede o Dylan Dog Clássico.

 

Existem duas séries interessantes que saíram em parceria com jornais italianos.

Dylan Dog – Coleção Histórica a Cores

Esta série foi publicada em uma parceria entre os jornais La Repubblica e L’Espresso. Em 50 números foram publicadas cronologicamente os 150 primeiros volumes de Dylan Dog. Três histórias coloridas por edição, com acréscimo de material extra organizado pelo jornalista e perito em quadrinhos Luca Raffaelli e pelos editores da Bonelli Luca Crovi e Maurizio Colombo. A série iniciou em 2013 e terminou em janeiro de 2014. Lembrando que os volumes saíam semanalmente.

 

Dylan Dog Viaggio nell’Incubo

Esta série é uma parceria entre os jornais La Gazzetta dello Sport e Corriere dela Sera. Em andamento, a série já chegou à edição 68 de 80 planejadas. Com 208 páginas, cada volume compila duas histórias combinadas com base em um tema, monstros, alienígenas, fantasmas, vampiros, etc… A divisão por temas permite que o leitor se aproxime da complexidade e nuances do personagem em seu mundo inquieto e em suas investigações.

As histórias são em preto e branco, e as capas são inéditas, criadas pelos mais importantes artistas da Sergio Bonelli Editore. Em cada volume o leitor encontrará conteúdos extras. Colunas de Fábio Licari, supervisor editorial da coleção e textos de Maurizio Colombo, que explora a temática de cada volume.

Por falar em Tiziano Sclavi, não posso encerrar esse texto sem citar I Racconti di Domani. O retorno de Tiziano à escrita de Dylan Dog. Aqui ele faz uma série de pequenos contos apresentados pelo Dylan, ao estilo Creepshow, onde ele apresenta os contos mas não participa. Nesta série somos transportados de uma maneira incrível pela escrita de um dos maiores roteiristas italianos.

No primeiro volume, Dylan encontra na loja Safará um misterioso livro. Hamlin, o misterioso gerente da loja descreve o livro como uma “coleção de contos que serão escritos amanhã”. E é justamente este o título do livro empoeirado: Contos do Amanhã! O Investigador do Pesadelo iniciará a leitura junto a nós, leitores e encontraremos uma coisa em comum entre as histórias: o horror!

Cada volume conta com 64 páginas coloridas, capa dura. O segundo volume tem arte de Nicola Mari e a terceira edição, que sai dia 26 de novembro, tem a arte de Giorgio Pontrelli.

Existem várias outras reimpressões e coleções de Dylan, mas no momento estas parecem se encaixar melhor em nossa necessidade como leitor.

Estas foram algumas especulações, mas concretamente já podemos esperar que Dylan Dog terá as edições inéditas até a número 100, finalmente publicadas. “São 37 histórias. E pra coisa andar mais rápido, talvez passe a ser mensal”, destacou o Editor da Mythos Dorival Vitor Lopes. Ele comentou também que Dylan Dog Nova série continua do mesmo jeito.

Mas isso abordaremos em outro post, enquanto isso, leiam Dylan Dog! Não irão se arrepender.

Conhecendo Adam Wild

Dica de trilha para escutar enquanto lê. Nada melhor do que a trilha de “As Minas do Rei Salomão”, clássico da Sessão da Tarde que conta uma grande aventura na África:

Séries Bonelli que talvez nunca vejamos no Brasil: ORFANI

Orfani é mais uma série Bonelli do gênero ficção científica. Criada por Emiliano Mammucari e Roberto Recchioni, atual editor de Dylan Dog e roteirista do Detetive do Pesadelo por anos, inclusive foi autor da premiada Mater Morbi. Orfani é publicado na Itália desde 2013 em cores.

A série fala de uma guerra entre uma raça de extraterrestres e uma equipe de crianças treinadas para combatê-los, conhecidos como “órfãos”, daí o título, Orfani. Esta é a primeira série da Bonelli totalmente colorida. Os autores comentam que se inspiraram em obras como The Lord of the Flies, de Willian Golding e Tropas Estelares, de Robert A. Heinlein. Além da já costumeira mistura de filmes e quadrinhos que vemos em várias séries Bonelli. Orfani por exemplo tem referências à Alien, The Big Red One (Agonia e Glória, no Brasil), Full Metal Jacket (Nascido para Matar, no Brasil) e Star Wars, além da famosa série de jogos, Halo.

Orfani tem tramas divididas em temporadas, como uma série de televisão. Na primeira temporada, a história é dividida em duas linhas de tempo diferentes que se alternam durante a narração. No passado são mostradas as fases de treinamento que os órfãos são submetidos, e no presente os personagens são enviados para a guerra entre humanos e os extraterrestres.

A trama

Um raio de energia devastador atinge a Terra, arrasando a maior parte da Europa e matando instantaneamente um sexto da população. A destruição é um ataque premeditado por alienígenas de um planeta distante. Após este evento, um cientista sérvio chamado Jsana Juric e um coronel do exército japonês chamado Takeshi Nakamura reuniram um grupo de órfãos que sobreviveram à catástrofe, para sujeitá-los a treinamento duro e torná-los soldados com o objetivo de invadir o planeta hostil e evitar que outra tragédia acontecesse.

No início da história do passado, os militares submetem as crianças a um teste, os levando separadamente a um território selvagem e logo eles percebem que foram abandonados no lugar e devem retornar à base de Dorsoduro. O grupo imediatamente se encontra sob a liderança de Hector, o mais velho, que começa a orientar os meninos. Jonas, outro sobrevivente, começa a fazer amizade com Hector que se torna uma figura de referência pra ele. Depois de alguns dias de caminhada, Juric e Nakamura decidem liberar na área onde as crianças estão, ursos famintos. Hector se sacrifica para salvar o grupo e Jonas se torna o responsável por todos.

Eles vão de encontro a um precipício e são seguidos por outro urso. Desesperados começam a atirar pedras e conseguem cegar o animal, que com raiva acaba derrubando todos da encosta. Horas mais tarde eles conseguem retornar à base e tem início ao treinamento.

No futuro, a força de invasão terrestre chega ao planeta alienígena. Os soldados devem tomar injeções diárias para neutralizar a radiação do planeta. Ao descer no planeta não encontram resistência, mas algo estranho… não tem vestígio de vida alienígena. Porém do nada começam a aparecer os inimigos, sem qualquer arma de fogo e começam a matar os soldados da Terra.

A batalha parece perdida e quando uma equipe de cinco soldados, cada um vestido de uma maneira diferente dos outros aparece, conseguem eliminar em um curto espaço de tempo a maioria das forças inimigas, fazendo os alienígenas sobreviventes bater em retirada. Os soldados, surpresos, perguntam qual o nome dos cinco heróis e depois destes tirarem os capacetes reconhecem Jonas e seus companheiros, os Órfãos!

Uou! É de tirar o fôlego essa série hein? Ela não segue o habitual Bonelli, é colorida, quadrinhos dinâmicos e uma trama espetacular.

Foram publicados até o momento 48 edições e Recchioni já confirmou que a sexta temporada, com o título Sam, será a última, encerrando a série com 54 edições.

E aí? É ou não é uma boa pedida?

 

 

Viva Bonelli!

Nathan Never em 2018

 

 

O editor de Nathan Never, Glauco Guardigli revelou o que está preparado para o herói Bonelli este ano, com muitas aventuras e ação. Em fevereiro, logo após uma aventura pós-apocalíptica realizada por Gualdoni e Rossi na edição de janeiro, chega a história “Fuga da Europa”. Dramática e com desenhos de Romeo Toffanetti e roteiro de Thomas Pistoia, este que anos atrás fez “A Longa Marcha”, uma das edições mais controversas do Agente Alfa.

Em março, Bebi Vigna apresenta uma história em duas partes confiada às “pinceladas” de Sergio Giardo intitulada, “Sobre os Asteróides” e “Missão para um amigo”. Uma importante história sobre os anos que Nathan ainda era um cadete e conheceu sua esposa Laura e seu amigo Randy Nash.

Este ano ainda está programada a história com título provisório “Projeto Caino”, de Pietro Vitrano, em sua primeira experiência com Nathan. Um misterioso assassino em série, age muito similar ao famoso Jack o Estripador. Temos ainda uma história perturbadora de Michele Medda e Elena Pianta sobre sequestro e abduções alienígenas e muito mais.

Enfim, uma série de histórias incríveis preparando o terreno para uma sensacional saga em 2019 criada por Medda e Vigna.

Não podemos esquecer no Brasil, onde Nathan Never volta a ser publicado pela Mythos Editora com estreia programada para maio.


Nathan, cidadão de uma megalópole destruída, localizada na costa oriental dos ex-EUA, é agente especial da prestigiosa Agência Alfa, uma das tantas agências privadas que se juntaram à polícia na luta contra o crime do futuro. As suas aventuras se desenvolvem a mais de 150 anos, num mundo cuja geografia foi alterada pelas terríveis catástrofes de 2024

É publicado pela Sergio Bonelli Editore desde 1991. A série foi criada por Michele Medda, Antonio Serra e Bepi Vigna.

 

Viva Bonelli!

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén