Categoria: Editora 85

Mister No – Era uma Vez em Nova York

No próximo domingo (20), a Editora 85 irá lançar uma nova campanha no Catarse onde trará as obras Morgan Lost #3, Dampyr #7 e a estreia da minissérie integral Hellnoir e de Almanaque Mister No #1 com a história “Era Uma Vez em Nova York”.

A Confraria Bonelli fará uma live especial com a participação do editor da 85 Leonardo Campos e o tradutor Júlio Schneider, onde será comentado sobre todos os lançamentos e sobre a campanha que iniciará no domingo mesmo durante a Live.

Era uma vez em Nova York

Manhattan, 1936. Na Nova Iorque da Grande Depressão, cresce um menino inquieto chamado Jerry Drake. É um amuleto de boa sorte para o gigantesco Trem Kowalsky, o maior dos boxeadores de rua da época. E ele está perigosamente fascinado pelo gangster Frankie “Missa Cantada” Nigro, de quem é seu protegido. Jerry também se tornará um “bom rapaz” como ele?

Maurizio Colombo é um roteirista pouco convencional. Na Sergio Bonelli Editore começou a escrever em Zagor, Nick Raider e Mister No, até criar, junto a Mauro Boselli a série mensal Dampyr. Hoje em dia, este talento não mais escreve quadrinhos. É uma pena, pois Colombo, se continuasse seria o herdeiro natural de Sergio Bonelli.

Era uma Vez em Nova York é um exemplo perfeito disso. Diferente de Mister No Revolução, de Michele Masiero que narra a juventude de Mister No passando pela Guerra do Vietnã, publicada no Brasil pela Panini em três partes, Era uma vez em Nova York narra a juventude de Mister No da série regular, que nasceu em Nova York na década de 1930, lutou na Segunda Guerra Mundial e depois foi parar no Amazonas.

Colombo constrói uma jornada fascinante e nostálgica para Jerry Drake (Mister No) em sua infância, onde morou na área norte de Manhattan, perto do Harlem. A história acontece na metade da década de 1930 e o jovem Jerry vive em meio a bandidos de médio porte sem futuro. Ele verá seu melhor amigo ser morto por um idiota, irá aspirar a se tornar um gângster como seu mentor, conseguindo descobrir por si mesmo qual é o caminho certo a seguir.

É o próprio Mister No adulto que narra a história reconstituindo os lugares de sua juventude agitada, tudo ao estilo e ritmo do filme Amarcord (1973), de Frederico Fellini. O título Amarcord é uma referência à tradução fonética da expressão a m’ arcord (eu me lembro), usada na região da Emilia-Romagna, onde o diretor nasceu. Federico Fellini sempre negou que o filme fosse uma autobiografia, mas reconhecia que existiam semelhanças com a sua própria infância em Rimini.

Trailer de Amacord, onde a atmosfera do filme está presente nas páginas de Era uma vez em Nova York:

Claro que O Rei do Sertão e Magia Negra são obras-primas consideradas pelos fãs de Mister No, ambas já publicadas pela 85 na série Especial, mas Era uma vez em Nova York é uma obra apaixonante que merece estar entre as melhores histórias do personagem. Em especial se quisermos compreender as origens de um personagem tão fora da caixa quanto Mister No.

As evidências ao cinema ficam evidentes a todo momento a começar pelo título, que remete aos filmes de Sergio Leone, em especial a “Era uma vez na América” que tem a mesma temática e acontece na mesma época.

Colombo também insere na trama filmes de gângster de Hollywood, passando por clássicos do cinema mudo como Asas (1927), de William Wellman, que aumenta a paixão do jovem Jerry pela aviação.

Mas o ponto alto desta história é a galeria de personagens que Colombo insere na trama de quase trezentas páginas, onde se destaca o maior vilão com um coração de ouro, Frankie “Messacantata” (Frankie Missa Cantada Nigro na versão da Editora 85), uma espécie de Robin Hood que não perdoa os infames e protege os indefesos.

O gângster Frankie “Messacantata” é inspirado no ator Chistopher Walken, mas a risada é claramente reinventada no modelo Jack Nicholson quando interpretou o Coringa em Batman (1989). Já o assassino da máfia, Carmine, conhecido como Zanzara lembra o personagem Mabuse da história em quadrinhos Um Homem de Chicago de Alfredo Castelli e Giancarlo Alessandrini.

Walken em O Último Matador (1996)

Iremos conhecer também o personagem Trem Kowalsky, um boxeador de rua dotado de grande humanidade.  A tia de Jerry que espera ansiosamente por seu irmão que foi lutar na guerra da Espanha e tem que suportar um marido policial violento e “incorruptível”; e, finalmente, o aspirante a gênio da música Ray Dubois que acompanha esta história com notas de jazz.

Em uma aventura tão cheia de ação e emoção, não poderia faltar o amor do pequeno Jerry por Lizzie, um amor não correspondido como a maioria dos amores juvenis, cheio de decepções e ressentimentos.

Os desenhos de Giovanni Bruzzo completam esta grande obra, reconstruindo com perfeição o clima retrô de um filme de gângsteres e imergindo o leitor naquele fedor nauseante e típico dos bairros populares da Grande Maçã. Bruzzo imprime um estilo clássico, perfeito para uma história de aventura.

Esta história foi lançada em Maxi Mister No #2 em 1999, e se destaca claramente das outras do herói a que estamos acostumados, oferecendo-nos uma das melhores histórias da própria Bonelli dos últimos anos. Um verdadeiro afresco histórico que uma vez lido não é esquecido.

Almanaque Mister No #1

Esta nova proposta da Editora 85 quer trazer histórias completas de Mister No, especialmente da série Maxi, já que as da série Speciale já saem em Mister No Especial, que já está na sexta edição. O Almanaque terá 292 páginas com miolo offset e capa cartão supremo com orelhas. Formato italiano.

Para saber mais acompanhe a live de lançamento da campanha da 85 no canal da Confraria Bonelli. A live acontece no domingo (20) a partir das 20 horas.

Editora 85 lança Hellnoir

No próximo domingo (20), a Editora 85 irá lançar uma nova campanha no Catarse onde trará as obras Morgan Lost #3, Dampyr #7 e a estreia de Almanaque Mister No #1 e da minissérie integral Hellnoir.

A Confraria Bonelli fará uma live especial com a participação do editor da 85 Leonardo Campos e o tradutor Júlio Schneider, onde será comentado sobre todos os lançamentos e sobre a campanha que iniciará no domingo mesmo durante a Live.

Capa da edição brasileira de Hellnoir. Editora 85.

 

Conhecendo melhor Hellnoir

Hellnoir é uma cidade, em algum lugar entre o nosso mundo e outro. Uma metrópole sombria, imensa e tentacular. Todos os que tiveram uma morte violenta acabam em Hellnoir, uma segunda vida quase sempre mais dolorosa e cruel do que a primeira. Hellnoir é um lugar podre e corrupto, repleto de almas condenadas. É preciso seguir certas regras se quiser sobreviver, regras escritas com sangue, declamadas em meio a gritos e lamentações, gravadas em carne mutilada.

Acompanharemos o Detetive Melvin Soul, ele conhece todas estas regras. A morte não tem segredo para ele. E Hellnoir, apesar de ser um inferno, ele chama de “lar”.

Hellnoir é fruto da coleção Romanzi a fumetti Bonelli que publica as Graphic Novels da Bonelli como Tex: Frontera e Drama no Deserto, UT e Comissario Ricciardi. Ao todo foram publicadas até agora 40 edições. A Romanzi a Fumetti surgiu após o sucesso de minisséries da Bonelli como Brad Barron, Demian e Face Oculta. A editora desde então resolveu explorar novos formatos em relação aos tradicionalmente usados a fim de adquirir uma gama maior e diferenciada de leitores.

Com roteiro de Pasquale Ruju (Tex, Cassidy, Demian e Dylan Dog), arte de Giovanni Freghieri (Dylan Dog, Face Oculta, Martin Mystère) e capas de Davide Furnò (Escalpo – DC Comics), Hellnoir será a primeira Graphic Novel da Editora 85. Com 388 páginas, miolo offset, formato italiano e capa cartão supremo. Compila as quatro edições da minissérie: #1 – Uma cidade pela qual morrer; #Cherchez la Femme #3 O abismo olha para você; #4 Estirpe Maldita.

Hellnoir como o próprio nome já demonstra é uma trama noir de terror e Pasquale Ruju usa todos os elementos possíveis destes estilos nesta obra. O personagem principal, Melvin Soul nasceu referência a Philip Marlowe e Sam Spade, personagens criados pelo escritor e roteirista Raymond Chandler, gênio das tramas policias e noir. Estes personagens cunharam o estilo Detetive Particular com Capa de chuva e chapéu, se comprometendo sempre consigo mesmo, um herói que se considera um anti-herói irremediável. Prefere rastejar nas periferias e cuidar da sua própria vida, assim como Melvin Soul.

Philip Marlowe e Sam Spade, personagens criados pelo escritor e roteirista Raymond Chandler.

O mundo de Hellnoir acaba se misturando ao mundo real quando Ruju insere Cassie, filha de Melvin na trama. Ela está bem viva no mundo real e acaba recebendo a ajuda do pai, morto, diretamente do mundo infernal. Cassie é inspetora do Departamento de Polícia de Chicago. Órfã e excelente investigadora.


Ruju aplica um roteiro muito confortável, mesmo nas etapas das investigações de Melvin, que assumem um ritmo realista e menos apressado. Ruju sabe como trabalhar com o noir mas o desenho de Freghieri é o que nos coloca de vez neste estilo.

Algumas pessoas podem até dizer que se parece muito com Sin City, de Frank Miller, mas Freghieri já trabalhava muito bem o preto e o branco na década de 70 quando fez Sorrow, com roteiros de Graziano e Claudio Cicogna e que saia na revista Magnum.

Sin City, de Frank Miller (1991).

Na quarta história de Hellnoir, uma cena da personagem Blanche lembra muito a cena de dança de Nancy, em Sin City:

O artista trabalha a luz e sombra de forma expressionista e a iluminação tem sua própria lógica física. Freghieri consegue, usando apenas preto e branco, destacar graficamente o mundo dos vivos e o de Hellnoir. Quando Cassie atua nós vemos linhas finas, figuras contornadas e traços grossos. Enquanto que em Hellnoir existe uma “solarização” do preto e do branco onde nos damos conta imediatamente em qual cenário nos encontramos.


Saiba mais sobre a obra em nossa live, no próximo domingo (20) e não deixe de adquirir a primeira Graphic Novel da Editora 85 apoiando a campanha no Catarse.

Mister No e a Mad Maria

Sergio Bonelli era um aventureiro e muitas das histórias que escreveu com o pseudônimo de Guido Nollita saíram de suas aventuras. Em Mister No isso acontece ainda mais, pois Jerry Drake percorre por muitas vezes o caminho trilhado no mundo real por seu criador, Sergio.

Um exemplo disso é a relação de Sergio Bonelli com a Ferrovia Madeira-Mamoré, cuja história foi imortalizada no livro Mad Maria de Márcio de Souza. A intenção era construir uma estrada de ferro de 366 Km no meio da Floresta Amazônica para ligar Guajará-Mirim a Porto Velho.

A Bolívia havia perdido sua faixa litorânea no Pacífico para o Chile, durante a Guerra de Guano em 1883 ficando sem saída para o mar, meio fundamental para uma economia baseada na exportação. Por isso os bolivianos optaram trocar o Acre por uma ferrovia que fosse da fronteira do Brasil ao rio Mamoré e daí, de barco pelos rios Madeira e Amazonas, os produtos bolivianos chegariam ao Atlântico.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén