Quem eram os Justiceiros de Vegas?

Será publicado pela Panini Comics ainda este mês de novembro o primeiro volume da Biblioteca Tex: Os Justiceiros de Vegas. A edição, escrita por Mauro Boselli, com desenhos e capa de Corrado Mastantuono, terá 224 páginas coloridas pela GFB Comics. Terá o mesmo formato das edições da Salvat e virá no preço de R$ 84,00.

Na trama, Tex e seus pards descobrem alguns bandidos que foram enforcados em Vegas, mas as contas não batem quando ele percebe que a mesma gangue havia assaltado uma diligência depois de dados como mortos. Para esclarecer a situação, os pards devem enfrentar Hoodoo Brown e Dave Mather, respectivamente prefeito e xerife da cidade, aparentemente, livre de crimes.

Hoodoo e Mather são personagens reais, que fizeram história no velho oeste americano e é deles que vamos falar hoje. Os Justiceiros de Vegas.

Dave Mather, mais conhecido como “Mysterious Dave”

 Homem misterioso em vida e também na morte. Cruzou a linha entre homem da lei e fora-da-lei diversas vezes, porém deixou poucos documentos confiáveis para descobrirmos com certeza como foi sua vida.

O que se sabe é que Mather (à esquerda) nasceu no nordeste dos Estados Unidos em 1851, seus pais morreram quando ele tinha 16 anos, obrigando ele e seu irmão, Josiah a se mudarem para o oeste. Em 1873, supostamente roubava gado com Dave Rudabaugh antes de fugir do estado do Arkansas. Se envolveu também na caça de búfalos. Em 1878 vendeu barras de ouro falsas para cidadãos ingênuos em Mobeetie, Texas. Na época, seu parceiro de crime, segundo alguns, era a futura lenda Wyatt Earp.

Não existe registro fotográfico de Hoodoo Brown, porém em 2005, Hoodoo apareceu no game Gun. Usando o mesmo nome e as feições do personagem real, aqui, Hoodoo era prefeito da cidade fictícia de Empire City, Novo México.

Hoodoo Brown

Hoodoo foi considerado o cowboy mais malvado de todos por Harold Thatcher, curador do Rough Rider Museum em Las Vegas. Alto, magro e com bigode fino, não há registro fotográfico. Seu nome original era Hyman G. Neil, natural de Lexington, Missouri. Seu pai tinha vindo para Lexington do Condado de Lee, Virgínia, na década de 1830, advogado, ingressou na Confederação quando a Guerra Civil Americana começou, porém, decidiu não negar seu juramento de apoiar a Constituição e acabou ingressando na União. Por causa dessa decisão, ele e sua família se mudaram para Warrensburg, Missouri após a Guerra.

Hoodoo saiu de casa ainda adolescente e em 1872 caçava bisões e transportava madeira. Era conhecido por ser um jogador e trapaceiro. No Colorado trabalhou em minas de prata com um amigo e juntos montaram uma companhia de ópera no México.

 

A Gangue de Dodge City

Mather mudou-se para Las Vegas e encontrou trabalho como vice xerife. Sua reputação como pistoleiro começou nessa época, quando se envolveu em um tiroteio em 22 de janeiro de 1880. Ele e seu chefe, Xerife Joe Carson se envolveram em um tiroteio com quatro homens no Variety Hall de Close & Patterson, na Rua Principal. Carson foi morto, Mather matou William Randall e feriu gravemente James West. Ele também feriu Thomas Jefferson House e John Dorsey, mas os ferimentos foram leves e eles fugiram do local. Devido a esse acontecimento, Mather foi promovido à xerife.

Ao chegar em Las Vegas, Hoodoo descobriu que estava desenvolvendo uma reputação em um lugar sem lei, cheio de foragidos, trapaceiros, assassinos e ladrões. Seu descontentamento levou à sua eleição como Juiz de Paz de Las Vegas. Serviu também como legista e prefeito da cidade e recrutou vários ex-atiradores do Kansas para formar uma força policial. Porém este grupo era pior do que os criminosos da cidade. Chamada de “Dodge City Gang” (imagem acima), a gangue incluía o xerife da cidade, Mysterious Dave Mather, Joe Carson, “Dutchy” Schunderberger e Dave Rudabaugh.

Foi nesta época que Boselli resolveu contar a história do encontro entre estes personagens reais e os nossos heróis.

De 1879 a 1880, a Gangue de Dodge City roubava diligências e trens, realizava assassinatos, furtos e corrupção municipal. Hoodoo era o prefeito e a gangue foi oficializada como Júri. Eles mesmos determinavam se as mortes eram ou não em legítima defesa. Com isso, Hoddoo conseguiu encobrir a maioria dos crimes da gangue.

Em fevereiro de 1880, os dois homens que sobreviveram no tiroteio no Variety Hall, House e Dorsey foram capturados. Sob a supervisão de Mather, uma turba de linchadores os tirou da prisão junto ao colega pistoleiro James West e os enforcou. No mês seguinte, houve dois assassinatos no mesmo dia e o público começou a suspeitar que Mather tinha ligações com o chefe da máfia da cidade. Mather renunciou ao cargo de xerife em 3 de março de 1880.

Rivalidade em Dodge City

Mather foi substituído como xerife por Tom Nixon, iniciando uma rivalidade entre os dois. Que piorou quando foi aprovada a “Portaria nº 83”, que proibia salões de dança em Dodge City. A lei foi aplicada contra o Opera House, impedindo dança no saloon, cujo dono era Mather, mas não contra o Lady Gay Saloon, de Nixon. Mather iniciou uma guerra de preços de cerveja. Cobrava apenas 5 centavos o copo, metade do preço de seus concorrentes.

Nixon e os outros proprietários de bares em Dodge City pressionaram os atacadistas de cerveja a cortar o fornecimento de Mather. A rivalidade resultou em um tiroteio no dia 18 de julho de 1884, quando Nixon atirou em Mather, mas apenas o feriu levemente. Nixon pagou fiança sob acusação de tentativa de homicídio.

Três dias depois, Mather e Nixon entraram em outro confronto e Mather atirou e matou Nixon. O caso de Mather foi enviado a julgamento que durou apenas três dias. O júri deliberou apenas sete minutos antes de declarar Mather inocente. O jornal Kinsley Mercury escreveu que “o veredito foi adequado, pois o peso do depoimento mostrou que Nixon foi o agressor na contenda e que Mather tinha justificativa para o tiroteio”. O Dodge City Times observou que “a leitura do veredito, pelo tribunal, foi interrompida por manifestações de aprovação da audiência”.

Após a absolvição, Josiah, o irmão de Mather o encontrou. Eles estavam no Junction Saloon em Dodge City jogando cartas com David Barnes. Após uma discussão e tiroteio Barnes foi morto. O xerife Pat Sughure prendeu os dois irmãos.

Um exame preliminar para os irmãos foi realizado em Dodge City 12 dias depois, em 22 de maio. Os dois irmãos foram presos para julgamento sem fiança. Imediatamente, eles solicitaram habeas corpus. Em 2 de junho de 1885, o juiz Strang permitiu que os réus pagassem uma fiança de $ 3.000 e eles foram libertados. Seus advogados adiaram seus casos até o termo do tribunal em dezembro de 1885. Os dois réus saíram sob fiança e nunca foram julgados.

As mortes de Hoodoo e Mather

Cansados da corrupção de Hoodoo, foi organizada uma equipe de vigilantes para derrubar o prefeito. Hoodoo não foi morto mas sim expulso do estado. Um dos delegados de Hoodoo havia sido morto dois meses antes e a viúva, ao ir fazer a exumação do corpo do marido para transferi-lo para Houston descobriu que Hoodoo estava preso. Ela visitou Hoodoo na prisão e o jornal local relatou que “o encontro entre os dois foi um tanto mais afetuoso do que seria de se esperar dado às circunstâncias”. Hoodoo estava preso por assassinato e roubo e contratou dois advogados locais. Foi libertado e nem ele nem a viúva foram mais vistos.

Hoodoo morreu em Torreón, no México e deixou esposa e um filho. Seus irmãos levaram seus restos mortais para Lexington e ele foi enterrado lá com o nome de Henry G. Neil.

Já Mather (à esquerda) se tornou xerife da cidade de New Kiowa, Kansas e o último registro dele foi em 1885, onde retirou $ 300 dólares para ajudar um amigo, Dave Black, acusado de assassinar um soldado. Ele fugiu de New Kiowa ao ouvir rumores de que a Companhia do Soldado poderia vir atrás dele por defender o assassino de seu companheiro.

Em 1902, a revista Everybody’s Magazine afirmou que Mather havia se alistado na Polícia Montada Real Canadense (RCMP) onde trabalhou até 1922, fato negado pela Polícia Montada. Seu irmão Josiah disse que Mather foi morto por Moonshiners no Tennessee, porém este relato é contraditório pois Josiah contou aos filhos que ele nunca mais viu ou ouviu falar do irmão após o incidente com Barnes em Dodge City.

Por fim, o “Mysterious Dave” teve um fim misterioso em uma vida conturbada, porém cheia de histórias incríveis.

Não deixe de vê-lo e também Hoodoo Brown na Biblioteca Tex: Os Justiceiros de Vegas.

 

Imagem da Capa da edição retirada do site Tex Willer Blog.

Fonte informações: PeoplePill

Conheça Lavvender. Um Thriller paradisíaco da Bonelli

Giacomo Bevilacqua, recém premiado pela sua série Bonelli “Attica” na Lucca Comics & Games 2020, começou a trabalhar na editora milanesa com a história “Lavvender”. Publicada em Le Storie Especial 4, em 2017, Lavvender mostra as aventuras dos jovens Gwen e Aaron em uma ilha deserta paradisíaca, com águas cristalinas e muitos mistérios.

Esta história poderia muito bem ser publicada no Brasil no formato de Monolith, Mister No: Revolução e até mesmo Chambara. Lavvender tem roteiro, arte, capa e cores de Giacomo Bevilacqua. Publicado inicialmente em Le Storie n. 4 (2017), em 130 páginas ganhou uma edição especial em formato maior com 144 páginas coloridas.

Um Thriller de terror na praia

Lavvender é a primeira obra de Giacomo Bevilacua para a Editore Sergio Bonelli. A edição cheira a verão, e até mesmo por isso foi publicada no Le Storie especial de verão. O começo da história lembra muito os filmes de terror/suspense: Jovem casal despreocupado chega a uma bela ilha deserta da qual serão donos por onze dias, a menos que queiram voltar para casa mais cedo. Tudo temperado com algumas frases soltas e insinuações para prender a atenção do leitor.

Em uma história sem muita ambição, porém sólida, um enredo simples e perspicaz. Bevilacqua nos traz bases de filmes de terror adolescente e filmes de horror na praia como Tubarão (Jaws, Steven Spielberg, 1975), Do Fundo do Mar (Deep Blue, 1999) e principalmente A Praia (The Beach, 2000).

Os detalhes com filmes ou romances do gênero não param por aí, de forma evidente e consciente pelo autor. Como por exemplo, não ter sinal telefônico e o único meio de comunicação é o celular via satélite. Mas isso não é problema, pois os dois estão querendo aproveitar aquele “paraíso” com total despreocupação.

Até que o casal comete o maior erro que poderiam cometer, já que estamos em uma espécie de filme de terror, eles começam um “rala e rola” na floresta e alguns barulhos sinistros já começam a ser percebidos no farfalhar das folhas. Bevilacqua aqui já mostra que está jogando com as cartas abertas. Nos apresenta o gênero da história que quer apresentar e daqui pra frente começa a nos mostrar as reviravoltas que ele quis apresentar desde o começo.

Os protagonistas são Gwen, bonita e intelectual, recentemente passou por um luto que a fez entender a importância de ficar com ela mesma. O rapaz é Aaron, simpático, um advogado de pouco sucesso. Os dois são jovens bem estereotipados mas com pés plantados no presente, com o tênis da moda e redes sociais atualizadas.

Bevilacqua se concentra mais em Gwen, com seu corpo curvilíneo e bronzeado, em sua expressividade alegre e curiosa, que com o tempo se torna mais sombria e assustadora. A ilha sem nome é amiga e inimiga, com sua beleza deslumbrante, as cores do mar e do céu variam em intensidade dependendo da hora do dia, e o encanto da natureza esconde perigos e mistérios.

A ilha cartão postal, personagens simples de se identificar, são ferramentas essenciais para o desenvolvimento da trama, deixando o autor livre para focar nas imagens, expressividades e enredo. A história a princípio segue em um ritmo lento e reflexivo, depois cada vez mais acelerado à medida que a tensão aumenta.

O traço sutil deixa a colorização fazer todo o seu show, definindo tons e volumes. O cenário é incrível, com um trabalho de luzes bem elaborada, dando a sensação ao leitor de praia, calor, água, umidade. A sequência “subaquática” merece um destaque especial, pois a colorização fez com que os reflexos do sol fossem reproduzidos no fundo do mar de forma verdadeira.

Esta aventura subaquática é um ponto de virada importante na história, tudo fica melhor. Os personagens começam a planejar, dar ritmo à trama e tudo funciona muito bem. No final, o autor reduz drasticamente o texto e deixa o desenho contar a história de forma dramática e com mais autenticidade.

A história segue sem problemas, chegando a um final bem construído, com uma reviravolta que é tão ‘técnica’ (da qual bastaria falar muito pouco, para estragar a surpresa) como imprevisível. O mistério da ilha é revelado e ao final da leitura, uma sensação agradável permanece mostrando que Lavvender vale a pena.

A seguir imagens da edição:

 

Divulgada a capa do crossover entre Flash e Zagor

Foram divulgadas as capas do crossover entre Flash e Zagor em mais uma parceria entre a DC Comics e a Sergio Bonelli Editore. A arte da capa foi realizada por Carmine Di Giandomenico e, em 10 de dezembro será publicado o número Zero, escrito por Giovanni Masi e Mauro Uzzeo, com desenhos de Davide Gianfelice. O título da edição será “The Hatchet and the Lightning” (“A Machadinha e o Relâmpago”).

As capas divulgadas são de duas edições limitadas. Uma destaca Zagor com Flash ao fundo e a outra o contrário. Carmine Di Giandomenico (à direita) já desenhou Conan, o Bárbaro para a Marvel Itália (1997), e sua mais recente obra para a Marvel foi Homem Aranha: Noir. Giandomenico desenhou o Flash na fase Renascimento e hoje trabalha na revista da Liga da Justiça.

A edição número 0, “The Hatchet and the Lightning”, terá 32 páginas coloridas no formato 16x21cm. Além da história, a edição terá muitas curiosidades e bastidores deste novo crossover entre os heróis da DC e os da Bonelli. Lembrando que este encontro entre as duas editoras já aconteceu no especial Dylan Dog/Batman: Relações Perigosas, lançado em 2019.

O encontro entre Dylan Dog e Batman teve argumento de Roberto Recchioni com desenhos de Gigi Cavenago e Werther Dell’Edera. A edição também conta com a participação dos vilões Coringa e Xabaras.

O encontro de Flash e Zagor é o segundo de três encontros entre os personagens da DC e da Bonelli. O terceiro, ainda sem data definida já foi anunciado na Lucca Comics & Games 2019 e será entre Nathan Never e Liga da Justiça.

Em breve você pode acompanhar mais informações aqui mesmo no site da Confraria Bonelli.

Fonte: https://www.sergiobonelli.it/news/2020/11/19/gallery/flash-corre-a-darkwood-1008928/

Distribuição da Bonelli em bancas está ameaçada

O ano de 2020 não está fácil para ninguém. A pandemia acelerou processos de comunicação e trabalho, e a compra de quadrinhos online teve um aumento significativo, porém outros setores que já não estavam bem sofreram uma aceleração em seu desgaste e tendem a piorar ou se encerrar, como a venda em bancas de jornal.

A Dinap e a Treelog, empresas integrantes do Grupo Abril, responsáveis pela maior parte da distribuição de revistas no país informaram às editoras no dia 6/11 estar rompendo unilateralmente todos os contratos de distribuição nas modalidades consignação praticados nas últimas décadas. O motivo alegado é a retração provocada pela pandemia de Covid-19.

Os leitores Bonelli que costumam comprar as edições da Mythos e Salvat em banca, podem não encontrar Tex no início de 2021.

Esta situação ligou um alerta na Editora Mythos que distribui grande parte dos seus quadrinhos para todo o Brasil usando exclusivamente a Dinap/Treelog. No TexWillerBlog, o Editor e sócio/proprietário da Mythos, Dorival Vitor Lopes comentou que a editora está em busca de novos distribuidores.

“Gente, tenho uma péssima notícia… a Dinap – única distribuidora a nível nacional – está para encerrar as atividades. Estamos procurando distribuidores, mas até agora só achamos dois que fazem apenas São Paulo e Rio. Queremos alternativas para as outras regiões do Brasil, mas até agora não temos. Ainda não é oficial, por isso, rezem pra todos os santos pra Dinap continuar”.

E Dorival complementou que as vendas pela internet irão se intensificar cada vez mais, “de qualquer forma, quem puder comprar pela internet, não deve esperar mais: nosso site está cada vez melhor, com muitas ofertas, e como eu já informei, temos um novo galpão de 500 m2 pra atender os pedidos”. As compras pelo site da Mythos são entregues usando os serviços dos Correios.

Com a Mythos parando de usar os serviços de distribuição da DINAP/Treelog, muitos leitores podem deixar de comprar em bancas as revistas Tex, Tex Gigante, Tex Platinum e Ouro, além de outras edições publicadas pela editora. Existem leitores que somente compram Tex em banca e nunca compraram revistas online.

Situação da Distribuição em Bancas e Comunicado da DINAP

COMUNICADO DINAP:

Caras Jornaleiras e Jornaleiros!

Na última 6ª feira a Dinap/Treelog enviou um comunicado aos Editores informando que cessará a prestação de serviços em consignação a partir de 2021, por desequilíbrio financeiro entre os custos de distribuição, obstáculos operacionais ocasionados por medidas restritivas e as receitas que declinaram durante a pandemia.

É importante esclarecer que esta decisão não representa o encerramento da operação da Dinap/Treelog, que continuará distribuindo revistas impressas da Editora Abril para os pontos de venda. Não haverá desmobilização da empresa, portanto todas as operações fiscais e financeiras (Contas a Pagar e Contas a Receber) continuarão normalmente.

As revistas fazem parte da história da DINAP, levando cultura, entretenimento e conteúdo de qualidade aos leitores por intermédio dos pontos de vendas e pretendemos continuar com esta missão.

Agradecemos a compreensão e continuamos emprenhados em servir com soluções que sejam sustentáveis para prosseguir com a prestação de serviços.

Atenciosamente

Equipe Dinap

Hoje, o jornaleiro recebe as revistas em consignação. Vende a revista e fica com 30% do valor de capa. 70% é pago à distribuidora. Esta porcentagem varia dependendo da negociação com a distribuidora, a grande maioria não chega a receber 30%. As revistas que não foram vendidas são trocadas por revistas novas. O comunicado da DINAP destaca que a empresa” cessará a prestação de serviços em consignação a partir de 2021”. Embora não se saiba ainda de possíveis alternativas para os jornaleiros face a situação, uma das alternativas é a de que o jornaleiro compraria a revista por 70% do preço de capa, se vender ganha 30%, se não vender fica com a revista em banca.

Este modelo já é realizado por algumas Comic Shops nacionais, que também negociam diretamente com as editoras (Devir, Panini, Mythos) sem usar o modelo de consignação. O que não vender no momento, continua à disposição, não é recolhido.

Se o jornaleiro já tem um público cativo, isto pode não ser problema, porém a porcentagem deve ser renegociada, já que a distribuidora terá menos trabalho e as editoras terão perda zero. Em um mercado já fragilizado, o jornaleiro terá que ter um bom caixa para bancar as compras, o que irá reduzir a oferta e impactar em toda a cadeia produtiva como Editora e Gráfica.

No comunicado, a DINAP também esclarece que, “continuará distribuindo revistas impressas da Editora Abril para os pontos de venda”. A DINAP pertence ao Grupo Abril e é natural que mantenha este comportamento. Metade da receita do Grupo Abril vem de seu negócio de mídia, a Editora Abril. A outra metade, de seus negócios de logística, a DINAP/Treelog, que entrega revistas e a Total Express, que entrega encomendas.

O Grupo Abril se arrasta em uma crise há anos estando em recuperação judicial com uma dívida que chega a R$ 1,6 bilhão. Em 2018, o então presidente da Abril, Marcos Haaland em entrevista à Istoé Dinheiro já dava uma ideia do enorme problema que era a Dinap. “Importante destacar que boa parte do problema da Abril está na Dinap. O modelo de negócio não é sustentável. A Dinap, quando faz o recolhimento do que foi vendido, repassa o dinheiro para as editoras e fica com uma parte como remuneração. O que não é vendido, a Dinap recolhe e devolve às editoras, sem cobrar nada por isso. Então, ela faz um serviço de levar e buscar sem ser remunerada. E o custo logístico é imenso. O segundo problema é que a Dinap absorvia a inadimplência da cadeia. O que não recebe dos distribuidores, cobre e paga às editoras. Então, o rombo da Dinap é gigantesco”. Na época foram demitidos 800 funcionários do grupo Abril, várias revistas encerradas e inclusive a linha Disney foi descontinuada e seus direitos foram adquiridos pela Culturama e Panini Comics.

Em 2019 o Grupo Abril foi vendido e quem assumiu a presidência foi Fábio Carvalho, especialista em assumir empresas em dificuldades.

A Pandemia e a busca por soluções

Em nota enviada às editoras, a Dinap/Treelog destacou que a grande culpada pelo rompimento de contratos por consignação é a pandemia de Covid-19. “A pandemia gerou uma disruptura sistêmica na cadeia de distribuição, atingindo de forma dramática a estrutura em que se assenta o negócio da Dinap/Treelog de distribuição de revistas e congêneres, mediante redução drástica da receita de parte substancial das vendas, ocasionada pela queda na circulação de pessoas nos canais de vendas, oriunda de medidas governamentais de distanciamento”, e reiterou, “apesar de todos os esforços feitos para a regularização da rede de distribuição, a Dinap/Treelog não passou incólume pelos efeitos devastadores e sem precedentes que a pandemia do Covid-19 provoca e continuará provocando pelos próximos meses”. Segundo algumas fontes, esta mudança da Dinap/Treelog será irreversível.

Em outubro deste ano, a DINAP já havia emitido um comunicado relacionado à Editora Globo, onde anunciou que deixou de distribuir publicações da mesma, como Época, Marie Claire, Globo Rural, Autoesporte, Vogue, entre outros títulos. As edições foram recolhidas até o final de outubro.

Em abril, devido à pandemia, a Editora havia suspendido a produção impressa de suas revistas, menos Época por ser focada em noticiário e Marie Claire por ser bimestral e retornou apenas em julho. A Editora afirmou que ainda era seguro continuar lendo o impresso, porém o medo da contaminação das revistas, ao serem colocadas no chão da rua pelas equipes de distribuição, ou nos corredores dos prédios dos assinantes, levou a que muitos assinantes suspendessem suas assinaturas.

Após a DINAP encerrar a distribuição, a Editora Globo começou a usar os serviços da Distribuidora Brancaleone.

Em 2017 a Editora Panini, responsável por publicar quadrinhos no Brasil da Maurício Produções, Marvel e DC parou de distribuir pela DINAP/Treelog e iniciou um serviço próprio de distribuição.

E a Mythos?

A Mythos mesmo vendo a DINAP ruir há anos não deixou de usar o serviço, pois há leitores Bonelli em muitos cantos do Brasil que somente a distribuidora poderia chegar. Ela vem trabalhando em deixar cada vez melhor as vendas pelo site, mas ainda gera reclamações por parte dos leitores que compram online, em especial devido ao processo de entregas.

Porém outro fator que atrapalha o crescimento das vendas pelo site é o frete que se torna muito alto dependendo da quantidade e distância que será entregue. Por usar os Correios, a Mythos se coloca na posição desconfortável de ter que depender dos valores aplicados pela instituição.

Neste mês de novembro por exemplo, onde está acontecendo uma ótima campanha de Black Friday, muitos leitores reclamam que ao chegar ao final da compra o valor do frete encarece demais e assim acabam desistindo. É necessária a fidelização dos clientes para que, caso haja problemas na distribuição em 2021, exista outra alternativa para vender os quadrinhos Bonelli para todo o Brasil.

E a Salvat?

A Editora Salvat publica Tex Gold e também pode sofrer mudanças devido à estas alterações em relação aos consignados pela DINAP/Treelog, já que suas coleções são distribuídas pela mesma. Lembrando que em 2018 a editora parou de distribuir por um tempo pois o cronograma de distribuição da DINAP havia parado. A distribuição parou em agosto e retornou somente em novembro de 2018.

————————-

Aos Bonellianos resta aguardar e acompanhar os próximos passos da Editora Mythos e que não falte Tex para os leitores em 2021.

————————–

As fontes das informações estão linkadas ao longo da matéria.

Foto de Capa José Carlos Francisco.

Gea fala de diversidade e representatividade

Discriminação, conflitos étnicos, deficiências, sexualidade e homossexualidade. Estes temas, mas de forma mais direta e realista são encontrados em Gea. Obra de Luca Enoch criador de Lilith e Dragonero, que atualmente está em Catarse pela editora Red Dragon.

A série foi publicada originalmente na Itália, pela Sergio Bonelli Editore, entre junho de 1999 e novembro de 2007, somando 18 edições. No Brasil, a série será publicada em 6 volumes. Cada edição trará 3 edições italianas em 396 páginas.

Enoch e sua revolução nos quadrinhos italianos

Sergio Bonelli uma vez chegou a comentar que o fumetti “Sprayliz” era um dos quadrinhos que ele mais apreciava na época. Sprayliz foi criado por Luca Enoch e publicado pela Star Comics, e Bonelli falou isso quando Enoch apresentou Gea pela primeira vez à ele (final da década de 1990). Bonelli foi muito reticente à época para publicar Gea, pois sabia que a obra representava um impacto profundo no modelo editorial da Bonelli, porém, como o sempre incrível editor que era, sabia que se fazia necessária sua publicação.

Em Sprayliz”, Enoch conta a história de uma adolescente que adora grafites urbanos e tratou de temas como homossexualidade à pornografia, racismo à drogas. Temas que não eram originais, mas pela primeira vez foram abordados em uma história em quadrinhos popular e serial. Após onze edições, apesar do sucesso de Sprayliz, Enoch deixou a Star Comics e passou a trabalhar para a Sergio Bonelli Editore. Ele primeiro desenhou Legs Weaver, e depois apresentou sua personagem: Gea.

Em meio à obras já consolidadas da editora Bonelli, Enoch conseguiu o feito de convencer Sergio Bonelli a publicar Gea. Superou a relutância natural do editor italiano em publicar quadrinhos com referências óbvias à realidade social e política atual. Por dezoito números, Enoch apresenta em Gea questões complexas além da luta do bem e do mal.

 

Gea e seu lugar no mundo

Gea é uma garota muito estranha de quatorze anos. Mora sozinha, em um prédio abandonado de uma antiga área industrial, na companhia de seu gato preto Cagliostro, ela não tem pais e é cuidada à distância por um esquivo “tio” que ela nunca viu. Gea é da casta dos Protetores, um ser com poderes particulares com a tarefa de impedir que outros seres, conhecidos como Invasores, entrem em nosso plano de existência.

Na verdade, nossa Terra faz parte do Multiverso e é um “Ponto Primário de Convergência da Dinâmica Dimensional”. Isso significa que em certos momentos, quando os planos dimensionais se cruzam, as Presenças e Energias que habitam os outros planos de existência entram em nossa dimensão. Os Protetores são colocados lá para destruí-los ou mandá-los para casa antes que causem qualquer dano.

Mas Gea também é uma garota muito normal com os problemas e paixões de sua idade. Ela toca em uma banda de rock amador com outros jovens da mesma idade. Nesse grupo ela conhece Leonardo que ficou paraplégico após um acidente de carro. Leonardo (Leo), alguns anos mais velho que Gea, tem um espírito indomável, enfrenta com orgulho e teimosia os problemas decorrentes de sua deficiência. Na banda de Gea, Leo toca bateria, instrumento que foi adaptado para ele poder tocar.

Leo além de fazer parte do elenco cômico da série é mais que um coadjuvante. Leo é uma figura real na representação de sua deficiência, e a aceita com força de vontade, lutando para que a sociedade derrube as barreiras que o impedem de levar uma vida normal.

Mas o espírito de auto aceitação de Leo não é (e realisticamente não pode ser) total. Na sexta edição é representado um dos temas mais dramáticos para uma pessoa com deficiência devido a lesão na medula óssea, o da sexualidade. Nas páginas que tratam do assunto emerge a necessidade premente de Leo por contato físico e a impossibilidade de racionalizar o problema. A atitude de Gea em relação ao amigo é intrinsecamente saudável. Ela nunca assume atitudes compassivas e não hesita em maltratá-lo quando ele se permite liberdades excessivas. Em outras palavras, ela o trata como uma pessoa normal e não como uma pessoa com deficiência!

Diversidade e representação em várias frentes

Mesmo sendo um quarinho de ação, fica nítido que Gea se trata de uma história sobre diversidade e representatividade.

A importância da representatividade pode ser exemplificada da seguinte maneira: uma criança paraplégica está condicionada a usar cadeira de rodas ao longo de toda a vida. Ela cresce vendo heróis com os quais seus colegas se identificam, mas que não fazem com que ela se sentisse representada. Então surge um herói dos quadrinhos cadeirante, e o fato de usar cadeira de rodas não o impede de combater o crime. A partir disso, a criança passa a se identificar com alguém, que – ainda que fictício, entende tudo o que ela vive sendo uma cadeirante. Entende enfim todo o preconceito e as dificuldades, e passa o ensinamento de que a cadeira de rodas não deve ser um empecilho para fazer o que se tem vontade, tornando-se um exemplo a ser seguido.

Esta “magia” da representatividade pode ser expandida para a questão de sexualidade e identidade de gênero, cultura e nacionalidade além de doenças e deficiências.

Em Gea vemos essa questão com Leo e também Siegfried, outro coadjuvante que se diferencia na trama. Jogador de hóquei no gelo, Sig como é chamado é voluntário em um serviço de transporte para deficientes físicos, “doador de voz” para cegos em uma livraria, gay declarado e comprometido com a defesa dos direitos dos homossexuais.

Como Protetora, Gea tem o trabalho de destruir as entidades que invadem a realidade. Mesmo existindo entidades terríveis e cruéis, na maioria das vezes são criaturas assustadas escapando de mundos em crise. Como migrantes de países do terceiro mundo. Gea ao invés de tomar a iniciativa de destruí-las como manda seu dever, na maioria das vezes, simplesmente os convence a ir a um limbo celestial, esperando que as convergências dimensionais os tragam de volta ao seu próprio mundo.

Com essa atitude, Gea renova a atitude tradicional das protetoras femininas, que ao longo do século optaram por uma solução não sangrenta para invasores extradimensionais. Por isso, as protetoras que tomavam a iniciativa de falar com estas entidades, (que nada mais era do que orcs, duendes, etc..), foram definidas como “bruxas” e condenadas à fogueira. Já suas contrapartes masculinas foram definidas como heróis ou santos, quando, com espada na mão, lutavam e matavam estas “criaturas malignas”.

Personagens com voz e atitude

Enoch, além de trazer representatividade feminina ao apresentar em quase todas as suas obras protagonistas femininas. Coloca nas páginas de Gea questões como o orgulho gay, propriedades terapêuticas de algumas drogas, imigração ilegal, deficiências e muito mais. Deixa que seus personagens defendam suas teses, por vezes opostas em diálogos verborrágicos muito interessantes.

Em Gea, temos a confirmação de que a presença do diferente, seja fisicamente diferente, ou por raça ou por opção sexual, durante a história da humanidade cegou a razão e desencadeou sentimentos primordiais dos homens das cavernas, que temiam que outros homens mais poderosos tirassem suas vidas. Daí o horror na representação do diferente.

Mas o verdadeiro horror está na tentativa de racionalizar esse sentimento irracional em si mesmo. Lembrando que quando o medo do outro se tornou ideologia, quando a irracionalidade se tornou conduta política, foi quando nasceu o nazismo.

Não deixe de apoiar mais esse fumetti Bonelli. Acesse: Catarse/Gea1

Mythos estuda lançar nova coleção de Dylan Dog

Em outubro de 1986 a Sergio Bonelli lançou Dylan Dog #1, O Despertar dos Mortos Vivos. No Brasil, Dylan começou a ser publicado em 1991 pela Editora Record. Desde então acompanhamos o personagem criado por Tiziano Sclavi em suas aventuras com humor nonsense, surreais, com muita ação, mistério e terror. No Brasil o personagem já viveu altos e baixos sendo publicado por quatro editoras diferentes. Hoje, podemos dizer que estamos vivendo o melhor momento do Investigador do Pesadelo no Brasil.

A Mythos que já publicou 40 números do personagem em formatinho, agora publica duas coleções: Clássica e Nova Série. Publica também Graphic Novels, o Almanaque do Pesadelo e especula lançar mais uma coleção em 2021.

Na live do canal BlogBuster (https://www.youtube.com/watch?v=qj-CZgparI8&t=2237s), Joana Rosa Russo, editora da Mythos ao ser questionada sobre uma possível coleção de Dylan Dog Classic, com publicações desde o primeiro volume de Dylan, destacou que a editora não pretende lançar uma coleção assim, mas estuda lançar uma coleção de alguma fase do personagem: “A gente prefere lançar por fase, mas como está saindo algumas ristampas (reimpressões) na Itália, a gente talvez acabe publicando uma coleção Tiziano Sclavi. Mas é tudo especulação”, destacou Joana.

Claro que não vamos tirar nenhuma conclusão disso, mesmo que os leitores da Bonelli aqui no Brasil sintam falta de mais histórias clássicas de Dylan, em especial de Tiziano Sclavi, criador do personagem. Mas vamos listar algumas coleções lançadas na Itália que seriam muito interessantes para serem publicadas por aqui:

IL DYLAN DOG DI TIZIANO SCLAVI (O Dylan Dog de Tiziano Sclavi)

Série mensal que propôs trazer em 24 volumes as melhores histórias de Tiziano Sclavi. A série iniciou em maio de 2017 com “Através do Espelho” e foi até abril de 2019 com “O Longo Adeus.” O acabamento dessa edição lembra publicações americanas de terror dos anos 1950.

As capas são simples, em uma cor parda com um desenho realizado por Gigi Cavenago, atual capista de Dylan Dog. Todas as edições são coloridas ao estilo dos anos 1950 e com as páginas mais amareladas. A série foi publicada em banca com 112 páginas cada edição e compila ótimas histórias realizadas pelo criador de Dylan.

A série foi um enorme sucesso e a Sergio Bonelli Editore depois publicou packs (caixas) com quatro edições cada.

LIBRI DYLAN DOG (Uma espécie de Dylan Dog Anual)

Outra ótima coleção de Dylan lançada pela Bonelli é esta em capa dura. Até o momento foram lançados 5 volumes e cada um compila cinco histórias indispensáveis do Investigador do Pesadelo.

O formato lembra As Grandes Aventuras de Tex, recém lançado pela Editora Mythos. Cada volume tem em média 500 páginas e as histórias são selecionadas com base em um tema. Por exemplo:

O primeiro volume, Angeli i Demoni compila histórias com demônios e anjos (ah, jura?) que acabam atravessando o caminho de Dylan. Lançado em 2016 compila Dylan Dog #6 “A Beleza do Demônio” com roteiro de Tiziano Sclavi e arte de Gustavo Trigo. Dylan Dog #141 “O Anjo Exterminador”, de Pasquale Ruju e arte de Nicola Mari. “O Mistério de Veneza”, publicado em Dylan Dog #184 com roteiro de Ruju e arte de Angelo Stano. Dylan Dog #221, “O Toque do Demônio” de Paola Barbato e arte de Fabio Celoni. E encerra com “O céu pode esperar”, de Michele Masiero e arte de Corrado Roi, publicado em Dylan Dog #229.

E o volume dois se mostra bem mais interessante para ser lançado no Brasil neste momento. Intitulado Xabaras, a edição traz histórias que recontam o passado de Dylan com histórias cruciais e roteirizadas por Tiziano Sclavi e arte de Angelo Stano. Nela consta Dylan Dog #1, “O Despertar dos Mortos Vivos”. Em seguida vem “Morgana”, publicada em Dylan Dog #25. Dylan enfrenta Xabaras em “História de Ninguém”, publicada em Dylan Dog #43 e o volume conclui com “A História de Dylan Dog”, publicado em Dylan Dog #100. Este volume tem uma história a menos que as outras.

Esta coleção sai anualmente e seria uma ótima ideia ter um Dylan Dog Anual nesse sentido. Uma alternativa para quem pede o Dylan Dog Clássico.

 

Existem duas séries interessantes que saíram em parceria com jornais italianos.

Dylan Dog – Coleção Histórica a Cores

Esta série foi publicada em uma parceria entre os jornais La Repubblica e L’Espresso. Em 50 números foram publicadas cronologicamente os 150 primeiros volumes de Dylan Dog. Três histórias coloridas por edição, com acréscimo de material extra organizado pelo jornalista e perito em quadrinhos Luca Raffaelli e pelos editores da Bonelli Luca Crovi e Maurizio Colombo. A série iniciou em 2013 e terminou em janeiro de 2014. Lembrando que os volumes saíam semanalmente.

 

Dylan Dog Viaggio nell’Incubo

Esta série é uma parceria entre os jornais La Gazzetta dello Sport e Corriere dela Sera. Em andamento, a série já chegou à edição 68 de 80 planejadas. Com 208 páginas, cada volume compila duas histórias combinadas com base em um tema, monstros, alienígenas, fantasmas, vampiros, etc… A divisão por temas permite que o leitor se aproxime da complexidade e nuances do personagem em seu mundo inquieto e em suas investigações.

As histórias são em preto e branco, e as capas são inéditas, criadas pelos mais importantes artistas da Sergio Bonelli Editore. Em cada volume o leitor encontrará conteúdos extras. Colunas de Fábio Licari, supervisor editorial da coleção e textos de Maurizio Colombo, que explora a temática de cada volume.

Por falar em Tiziano Sclavi, não posso encerrar esse texto sem citar I Racconti di Domani. O retorno de Tiziano à escrita de Dylan Dog. Aqui ele faz uma série de pequenos contos apresentados pelo Dylan, ao estilo Creepshow, onde ele apresenta os contos mas não participa. Nesta série somos transportados de uma maneira incrível pela escrita de um dos maiores roteiristas italianos.

No primeiro volume, Dylan encontra na loja Safará um misterioso livro. Hamlin, o misterioso gerente da loja descreve o livro como uma “coleção de contos que serão escritos amanhã”. E é justamente este o título do livro empoeirado: Contos do Amanhã! O Investigador do Pesadelo iniciará a leitura junto a nós, leitores e encontraremos uma coisa em comum entre as histórias: o horror!

Cada volume conta com 64 páginas coloridas, capa dura. O segundo volume tem arte de Nicola Mari e a terceira edição, que sai dia 26 de novembro, tem a arte de Giorgio Pontrelli.

Existem várias outras reimpressões e coleções de Dylan, mas no momento estas parecem se encaixar melhor em nossa necessidade como leitor.

Estas foram algumas especulações, mas concretamente já podemos esperar que Dylan Dog terá as edições inéditas até a número 100, finalmente publicadas. “São 37 histórias. E pra coisa andar mais rápido, talvez passe a ser mensal”, destacou o Editor da Mythos Dorival Vitor Lopes. Ele comentou também que Dylan Dog Nova série continua do mesmo jeito.

Mas isso abordaremos em outro post, enquanto isso, leiam Dylan Dog! Não irão se arrepender.

Conheça Il Confine – Série de mistério e suspense da Bonelli

A Bonelli esbanja boas histórias, equipes criativas brilhantes e nos últimos anos arrisca ainda mais com novos selos. Entre eles o selo Audace, da Sergio Bonelli Editore com um tratamento diferenciado e com histórias mais adultas.

Dos títulos lançados no selo Audace estão os já lançados no Brasil Mister No Revolução e Deadwood Dick. E na Itália um dos que mais chama atenção é Il Confine, dos roteiristas Mauro Uzzeo e Giovanni Masi. A obra lançada em 2019 é bimestral, com edições coloridas de 80 páginas. No momento está no quinto volume.

As edições são em capa dura no formato 22x30cm, com 80 páginas coloridas, 60 de quadrinhos e o restante com entrevistas e outras informações. A edição também conta com um mecanismo de preview sobre o que vai acontecer na próxima edição, como é feito nas séries de TV.

Mas do que se trata este fumetti?

A história começa em uma pequena vila alpina na fronteira entre Itália e França, onde um micro-ônibus que transportava uma classe de adolescentes em uma viagem escolar desaparece. Dois personagens distintos são chamados para apoiar as investigações como consultores das autoridades. A italiana Laura Denti, é uma agente da Interpol concreta e pouco afável. E o francês Antoine Jacob, um perito conhecedor das montanhas, fascinado pelo próprio mistério e pelas mudanças na paisagem que parecem perturbar o espaço e o tempo de formas inexplicáveis. Dá mais importância à isso do que pela investigação das crianças.

Mesmo com o foco nos dois protagonistas, Il Confine não deixa de mostrar todo o elenco: os pais dos jovens desaparecidos, o colega que ficou em casa naquele dia, um repórter e a comunidade local. Isso faz com que a narrativa tradicional linear consiga se aprofundar em eventos aparentemente marginais à trama, que logo encontrarão um significado dentro de um quadro geral.

Na primeira edição, La neve rossa (A Neve Vermelha), a história vai direto ao ponto: Onde foram parar as crianças? Sob uma avalanche? Por que, então, não há vestígios? A investigação é densa, em capítulos curtos bem focados que ditam o ritmo não só dos acontecimentos, mas do verdadeiro suspense.

Il Confine é uma história de fantasia, terror, mistério e suspense, que fala de realidades diferentes, algo inspirado em Lovecraft. Para os fãs da série Twin Peaks, de David Lynch é um deleite como também para os fãs de Arquivo X e LOST, mas aí os leitores podem achar, “será que o final vai ser bom?”. Os mistérios vão sendo abertos e nos convidam a ir em busca do desconhecido e explorar tudo em busca de respostas.

Outro elemento interessante à trama é o ambiente. Existem fatos culturais como a tensão entre os policiais italianos e franceses, primos uns dos outros, mas que se provocam com os defeitos das respectivas nações. A montanha é outro elemento especial, que lembra o sobrenatural Lovecraftiano, perturbador.

Eventos e detalhes se acumulam e faltam explicações, pois o enigma rege a trama. Elemento que prende a atenção do leitor, mas também carrega o risco de gerar alguma insatisfação com as respostas que chegarão. Os autores ao menos garantem que tudo fará sentido, mas é o mínimo que podem prometer não é mesmo?

A edição

Il Confine é idealizado pelos roteiristas Mauro Uzzeo e Giovanni Masi, com a colaboração visual de Lorenzo “LRNZ” Ceccoti, que faz as capas. Emiliano Mammucari fez o design de personagens e é o supervisor das cores. Federico Rossi Edrighi faz os layouts e os gráficos são de Fabrizio Verrocchi. Uma equipe de trabalho respeitosa trabalhando com a Bonelli, uma editora conhecida por seus padrões habituais de organização e produção.

Este é um projeto de mídia cruzada da Bonelli, embora os outros produtos relacionados ainda não tenham sido anunciados. Espera-se que Il Confine venha a se tornar uma série de TV, romances, RPGs entre outras coisas.

Distribuída em livrarias e lojas especializadas, a SBE destaca uma valorização da qualidade do produto. E a forma como a edição se comporta é impecável. Sabe misturar suspense e reviravoltas, as cores, os diálogos, a mudança de cena e os personagens são algo bem destacados na trama e fazem parte claramente da narrativa como um todo.

Diferente das propostas da Bonelli de atualizar e modernizar a história de personagens da editora como Martin Mystére ou Mister No, além de realizar eventos chamativos como o encontro de Dylan Dog e Batman, com Il Confine a SBE afirma que quer ir além de seus limites.

O Objetivo é buscar novos territórios, novos leitores, novos habitantes de seu vasto território imaginário. Para sobreviver e evoluir no mercado editorial.

 

Nick Raider volta ao Brasil pela Editora 85

Nesta quarta-feira (4), o editor da Editora 85, Leonardo Campos, confirmou durante o Podcast Confins do Universo (em exatos 01:28:00) que irá publicar Nick Raider. É o retorno da série policial da Sergio Bonelli Editore ao Brasil. A Editora 85 publica atualmente Dampyr, Mister No, Morgan Lost e Diabolik.

Nick Raider foi criado por Claudio Nizzi, famoso escritor de Tex e foi publicada de 1988 a 2005 em 200 edições. Este fumetti mistura as atmosferas do thriller e romance policial com o noir. Nick Raider tem uma narrativa gráfica dinâmica, com elementos clássicos da narrativa policial e as tramas giram em torno de investigações bem detalhadas e desfechos com tiroteios e perseguições emocionantes.

Leonardo revelou à Confraria Bonelli que irá publicar as edições 27, 29, 31 e 32 de Nick Raider, em um compilado com as quatro edições em 388 páginas. Como já vem fazendo com Dampyr que já está em sua quinta edição. “Vou varrer a cronologia em busca das inéditas ainda não publicadas no Brasil”, destacou.

Em Nick Raider vamos encontrar os policiais da Divisão de Homicídios enfrentando casos muito violentos com muita ação e histórias sérias mas ao mesmo tempo divertidas. Além de Nizzi, entre os autores que participaram da série estão, Gianfranco Manfredi, Michele Medda, Tito Faraci, Gino D’Antonio, e muitos outros. Desenharam a série Aldo Capitanio, Bruno Ramella, Ivo Milazzo, Sergio Toppi e outras feras. Do nº 1 ao 43 as capas foram feitas por Giampiero Casertano e Bruno Ramella assumiu da nº 44 até 99. Da 100 até a 200, quem desenhou foi Corrado Mastantuono.

A campanha no Catarse de Nick Raider estreia, se tudo der certo, na primeira semana de janeiro de 2021.

Para saber mais sobre Nick Raider leia esta matéria que publicamos em 2018: https://confrariabonelli.org/?p=1058

 

A seguir uma breve sinopse das histórias que virão em Nick Raider da Editora 85:

Nick Raider #27 – Una Voce nel buio (Uma voz no Escuro)

Roteiro: Giuseppe Ferrandino

Desenho: Federico Antinori

Capa: Giampiero Casertano

Um escritor cego é degolado por uma navalha. Nick e Marvin começam a investigar o passado da vítima, mas um novo assassinato hediondo surge. Novamente a vítima era uma pessoa cega e o crime foi cometido com a mesma arma. Uma nova pista surge, os dois cegos se conheciam e se encontraram com mais duas pessoas cegas há pouco mais de um mês. Depois de encontrar a terceira vítima, fica claro que algo estranho deve ter acontecido naquele encontro. Nick corre para salvar a quarta pessoa…

 

Nick Raider #29 – Missione nel Bronx (Missão no Bronx)

Roteiro: Claudio Nizzi

Desenho: Iginio Straffi com a colaboração de Rodolfo Torti

Capa: Giampiero Casertano

Um mergulho no passado de Nick Raider. Aqui o acompanhamos durante seus dois primeiros anos como policial, quando ainda usava uniforme e descobrimos que Abraham Reginald King, chamado Barba Negra era seu parceiro de patrulha nas ruas do Bronx. Barba Negra é o protagonista de uma triste história que terminou com a prisão de seu amigo Malcom. No presente, Malcom está fora da prisão e está pronto para se vingar…

 

Nick Raider #31 – Un nido di Vipere (Um ninho de víboras)

Roteiro: Giuseppe Ferrandino

Desenho: Gustavo Trigo

Capa: Giampiero Casertano

Violet McGraw, amiga jornalista de Nick, é sequestrada por uma mulher. O sequestrador só a libertará se Nick Raider conseguir coletar as evidências que exoneram Phil Keelin, que foi condenado à prisão perpétua três anos antes pelo assassinato de sua esposa. Não leva muito tempo para Nick descobrir que a mãe do prisioneira está por trás do sequestro, mas ao mesmo tempo o caso Keelin reabre: e ele tem apenas uma semana para salvar Violet!

 

Nick Raider #32 – Vita Vendute (Vida vendida)

Argumentos: Maurizio Colombo

Roteiro: Claudio Nizzi

Desenho: Federico Antinori

Capa: Giampiero Casertano

Durante um tiroteio entre Nick e um ladrão, uma criança fica gravemente ferida. A bala que o matou veio da arma do agente, que está suspenso do cargo. Profundamente deprimido, Nick encontra-se em um bar com um rico empresário de Wyoming que, a conselho do tenente Rayan, o instrui a rastrear sua filha de dezesseis anos, que está desaparecida há alguns meses em Nova York. As verdades que surgirão dos desenvolvimentos desses dois eventos serão chocantes.

No Brasil

Nick Raider foi publicado primeiramente pela Editora Record, em formato original italiano em 1991. Durou apenas 10 edições e foi cancelada. Dez anos depois a Editora Mythos publicou a série de agosto de 2002 a fevereiro de 2004 também com vida curta. Apenas 16 edições.

A Mythos fez mais uma tentativa em 2018 publicando 4 edições mas não deu continuidade.

Tanto na Record quanto na Mythos respeitou-se a maneira das capas com os contornos amarelos nas bordas, que representam o “giallo” um gênero literário e cinematográfico italiano de suspense e romance policial, muito difundidos na Itália na década de 1960. A Mythos fez algumas em branco na primeira série que publicou e na segunda usou uma cor roxa nas quatro capas.

Cronologicamente foram publicadas as edições italianas de 1 a 26 entre Record e Mythos. A Mythos ainda publicou em sua primeira fase as edições 43, 45, 52, 151 na série regular e as edições 28 e 30 em Tex e os Aventureiros nº 4. A Editora 85 pretende continuar a partir da edição 27, fazendo assim com que os leitores continuem acompanhando cronologicamente as histórias de Nick Raider.

 Guia de edições Nick Raider publicadas no Brasil:

Record 1991

1 a 10

Mythos 1ª edição

1 (22), 2 (18), 3 (25), 4 (43), 5 (45), 6 (14), 7 (15), 8 (16), 9 (151), 10 (52), 11 (11), 12 (12), 13 (13), 14 (19), 15 (20), 16 (21)

Mythos 2ª Edição

1 (26), 2 (23), 3 (24), 4 (17)

Mythos

Tex e os Aventureiros 4 (28 e 30)

Editora 85 2002

27, 29, 31 e 32.

Edições italianas publicadas no Brasil:

1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 28, 30, 43, 45, 52, 151

72 Anos de Tex Willer e a Arte de Fred Macêdo

Há 72 anos, no dia 30 de setembro de 1948 foi publicada a primeira história de Tex. Chamava-se Il Totem Misterioso (O Totem Misterioso). Com o balão “Por todos os diabos, será que ainda estão nas minhas costas?”, começava a saga de um dos mais famosos cowboys dos quadrinhos.

Nesse dia especial, gostaríamos de fazer uma dupla homenagem: 1) comemorar essa data de 72 anos de vida editorial do nosso querido Ranger do Texas e 2) reverenciar a arte de um artista, fã e colecionador de Tex: Fred Macedo, já famoso entre nós pela sua “Divina Ceia Texiana”, feita em 2008 para comemorar os 60 anos do personagem.

Divina Ceia Texiana: Nat Mac Kennet, Gros-Jean, General Davis, Jim Brandon, Cochise e Montales à esquerda. Pat, El Morisco, Tom Devlin, Kit Willer, Jack Tigre e Kit Carson à direita. Tex Willer ao centro.

Em memória de ‘Guido Nollita’ (Sergio Bonelli): 1932-2011

Nascido em Milão em 2 de dezembro de 1932, Sergio Bonelli é filho de Giovanni Luigi Bonelli, criador de Tex e de muitos outros heróis dos quadrinhos italianos, fundador da Editora Audace, e de Tea Bertasi, que em 1946 assumiu as rédeas da negócios de família. Apenas para se diferenciar do famoso pai, quando começa a escrever, opta por assinar seus próprios roteiros com o pseudônimo de ‘Guido Nolitta‘.

Fonte: Blogue Os Quadrinhos.

Page 1 of 13

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén