Pedro Mauro, Desenhista Brasileiro da Bonelli, Comemora 50 Anos de Carreira Com Lançamento de um Livro

Por: Ricardo Elesbão Alves (Confraria Bonelli) e Renato Frigo (Colecionadores de HQs)

Em 1970 vivíamos anos de chumbo no Brasil da Ditadura Militar. As bancas de revistas eram repletas de gibis de cowboys pasteurizados, desenhados com traços limpos e atitudes pudicas, derivados de “Faroestes B” dos cinemas e das séries pueris da TV, aqui difundidas desde a década de 1950.

Então, de repente, surgiu um menino, Pedro Mauro, com seus faroestes estampando aventuras e cenários realistas, rudes e poeirentos, com personagens sujos e sarcásticos, mocinhas lindas com jeito de hippie. E mexicanos, muitos mexicanos. Tal qual nos filmes Spaghetti Western que tomava as salas de cinema naqueles anos, formando uma nova legião de público. Pancho foi o herói apresentado por Pedro Mauro. Na verdade, um anti-herói, porque não se importava em ser bom nem justo. Mas apreciava uma vingança e não tolerava hipocrisia. Filosofia dos protagonistas dos demais bangue-bangues do artista.

Assim, graças a Pedro Mauro despontaram nas bancas, pendurados nos cordéis, presos com prendedores de roupa, um novo tipo de gibi. Com desenhos inovadores, visual pop e narrativa que mesclava a cadência do cinema italiano com a dinâmica dos storyboards dos comerciais de TV. Uma técnica de desenho que, depois de sair do ramo dos quadrinhos, Pedro Mauro passou a dominar.

O livro reproduz em fac-símile todas as sete aventuras de faroeste que Pedro Mauro realizou naquele período. Historietas aqui devidamente pontuadas com datas e local de publicação. Obras que a Editora Taika, que as publicou originalmente, reprisou muitas vezes durante a década de 1970.

No total foram compiladas sete histórias desenhadas por Pedro mauro e publicadas pela Editora Taika em diferentes séries:

1) Ouro de Salt River, novembro de 1970, 12 páginas, Far-West Nº 1;

2) Pancho: Carga Pesada!, janeiro de 1971, 24 páginas, Pancho N° 1;

3) Pancho: Passagem para o Inferno, março de 1971, 26 páginas, Almanaque Far-West Nº 4;

4) Pancho: Duelo na Cidade Fantasma, maio de 1971, 28 páginas, Pancho N° 3

5) Pancho: Um Homem Chamado Ramirez, junho de 1971, 20 páginas, Far-West Edição Especial Nº 2

6) Um colt… E a Fama!, julho de 1971, 10 páginas, Almanaque Far-West nº 4;

7) Olho por Olho, setembro de 09/1971, 10 páginas, Almanaque Far-West nº 4.

Com exceção do “Duelo na Cidade Fantasma“, que tem roteiro de Ivan Saidenberg, todas as outras histórias são de autoria de Pedro Mauro. Vale ressaltar também, a valorosa participação da família Maldonado (Marcos, Dolores e Maria das Graças) no letreiramento destes clássicos, que jamais foram publicados com tanto capricho.

O projeto conta também com apoio e a parceria da Confraria Bonelli, a irmandade mais italiana do Brasil, um grupo criado por leitores brasileiros para discutir e divulgar os personagens da Sergio Bonelli Editore.

Para saber como comprar esta fantástica obra, de um mais do que provável futuro desenhista de Tex, acesse AQUI a campanha na plataforma do Catarse e saiba quais as recompensas que poderá receber de acordo com os combos disponíveis.

 

De acordo com o avanço da campanha e com atingimento das metas, as mesmas poderão ser estendidas e aqueles que apoiaram o Projeto serão beneficiados com outras brindes / recompensas. Nesse momento, por ter superado, em menos de 20 horas, os 100% da primeira meta, os apoiadores irão receber dois marcadores personalizados e ainda uma belíssima contra-capa. A partir de agora, para as novas metas, serão adicionados desenhos exclusivos de outras artistas da nona arte.

Pedro Mauro

Pedro Mauro Moreno Dias, nosso PEDRO MAURO, nasceu em Nova Europa, SP, em 19 de fevereiro de 1953. Iniciou a carreira aos 16 anos, como assistente de Ignácio Justo em histórias de guerra na Editora Taika. Na mesma editora, entre 1970 e 1971, desenhou capas e/ou histórias de faroeste para as revistas Pancho, Almanaque de Far-West, Far-West Edição Especial e Cowboy, que tiveram republicações até 1976. Parte dessas histórias deram origem a este projeto no Catarse.

Mais tarde passou a ser muito procurado pela área de publicidade, onde fez muito sucesso como ilustrador. O trabalho se concentrava no desenvolvimento de composições e storyboards para grandes agências internacionais e na finalização de artes para editoras de revistas e livros em São Paulo. Finalmente, na década de 90 foi convidado a trabalhar e morar em Nova York, onde permaneceu por 12 anos, produzindo trabalhos de alto nível e sendo representado pelo Paul Santa-Donato Studios.

Em 2013, finalmente volta aos quadrinhos com uma série sobre uma famosa pirata, Back From the Dead Red, de autoria de Carlos Estefan, ainda não publicada.

Em 2014, foi descoberto no Facebook pelo roteirista italiano Gianfranco Manfredi, responsável pelos roteiros de Mágico Vento da Sergio Bonelli Editore (SBE), quando então foi convidado para desenhar Adam Wild, uma minissérie escrita pelo roteirista italiano.

Gianfranco Manfredi e Pedro Mauro

Em 2015, publicou o seu primeiro Sketchbook em parceria com o desenhista brasileiro Augusto Minighitti e ilustrou a coletânea 321 – Fast Comics, de Felipe Cagno. Em 2016 publicou o segundo Sketchbook.

Ainda em 2016, ilustrou a coletânea Pátria Armada – Visões de Guerra, de Klebs Júnior e o volume 3, Libertalia, la Cité Oubliée, da Série L’Art du Crime, de Marc Omeyer e Olivier Berlion, para famosa editora francesa de quadrinhos Glenat Editeur de Talents.

Em 2017, ilustrou Os poucos & amaldiçoados, outro álbum de Felipe Cagno, e fez seu segundo trabalho para a Bonelli, ilustrando Mugiko para a coleção Le Storie, uma história de espionagem, também roteirizada por Gianfranco Manfredi e que vai ser publicada no Brasil pela Editora Trem Fantasma.

Mas recentemente, uma vez mais a convite de Manfredi, Pedro Mauro desenhou para SBE quatro números da nova minissérie intitulada Cani Sciolti. São eles: E la chamiano estate (N° 3, 01/2019); Segreti inconfessabili (N° 4, 02/2019); Cartoline dalle vacanze (N° 9, 07/2019); e Riti pagani (N° 10, 01/2019).

Atualmente, Pedro reside e tem seu estúdio na cidade de Itu, no interior de SP, onde entre outras coisas, continua se dedicando aos quadrinhos. Nos últimos três anos, em parceria com Carlos Estefan, voltou a desenhar faroeste e publicou uma trilogia chamada Gatilho. As publicações, durante os seus lançamentos na Comic Con Experience – CCXP, hoje o maior evento nerd do mundo, esgotaram pelos três anos seguidos.

Este grande sucesso fez com que muitos pudessem especular, e em especial leitores e fãs, que Pedro Mauro pode ser o primeiro brasileiro a desenhar Tex, o personagem mais famoso da SBE e com uma história editorial que supera os 70 anos.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Anteriores

Como passar o tempo com os nossos heróis da Bonelli!

Próximo

Em memória de ‘Guido Nollita’ (Sergio Bonelli): 1932-2011

  1. Denilson Pereira De Abreu

    Como faço para adquirir os livros?

    • Ricardo Elesbão Alves

      Caro Denilson, bom dia

      Os livros foram vendidos na campanha do Catarse. Entretanto, a Confraria Bonelli adquiriu um quantidade maior e provavelmente disporemos alguns para venda.

      Por favor, nos contate pelo Email confrariabonelli@gmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén