Segredos de Júlia Kendall #1: “Olhos do Abismo”, Um Perigoso Mergulho!

TEXTOMarcos Guerra Tântalo

Júlia Kendall |

“Quando eu tinha cinco ou seis anos, Audrey Hepburn foi meu primeiro amor cinematográfico. E o primeiro amor a gente não esquece.” É assim que Berardi respondeu a famosa pergunta “Por que uma protagonista com o rosto de Audrey Hepburn?” Pouco se pode falar sobre essa escolha além disso! Um primeiro amor não se questiona, afinal de contas!

Ah, claro: Teremos muitos e muitos rostos dentro do universo da série! Desde o núcleo dos protagonistas até coadjuvantes de uma só edição! Webb é um John Malkovitch atípico, explosivo e passional! Ben Irving é um perfeito John Goodman! Será que há outros exemplos? Inúmeros! Mas comecemos com as referências que eu tenho compilado a partir de nossa edição 1,  como prometido anteriormente! Que comecem os jogos!

1) Essa é citada por Emily, a tal empregada de Júlia, cuja face foi emprestada por Whoopy Goldberg: “Raízes” – série de tv da ABC – 1977, baseada no livro “Negras Raízes“, de Alex Haley. Uma clara evidência da cultura Afro arraigada à personagem. Uma nova versão dessa série foi realizada em 2016.

Série Raízes (1977 + 2016).

2) Vemos a nossa Criminóloga dando aula pela primeira vez: O primeiro autor citado é Cesare Lombroso. Esse pesquisador faz parte da história da psiquiatria e já foi até citado em “Face Oculta”, roteiro do grande Manfredi!

Face Oculta: O Rosto da Aventura

Série Face Oculta, da Sérgio Bonelli Editore, escrita por Gianfranco Manfredi.

3) Céus! Uma estudante da Faculdade de Júlia usa uma camisa da banda Skunk Anansie – “Yes It’s Fucking Political”, de 1996! Como a edição italiana é de 1998, podemos dizer que essa banda ainda devia gozar de certa popularidade na época! Querem ouvir o som?

4) Mais uma da Emily, ouvindo rádio na cozinha, temos acesso à letra da música “You make me feel like a natural woman”, de 1967! Essa canção é de autoria de Carole King:

Mas querem saber de uma coisa? Conhecendo Emily, eu acho é que ela está ouvindo a versão de Aretha Franklin:

5) Nossa! Júlia investiga o quarto de uma vítima… E olha quantas coisas ela encontra lá: Pôsteres dos Backstreet Boys e Naomi Campbell? E os livros? Sintam só o drama: “O Pequeno Príncipe”, de Saint-Exupéry. Contos de fada dos Irmãos Grimm. “Martin Eden”, de Jack London. “Freedom Road”, (Traduzido no Brasil como “Caminho para liberdade”) de Howard Fast e até “Lord Jim”, de Joseph Conrad!

Ilustração de Alexander Zick (1845 – 1907) do conto “João e Maria” dos Irmãos Grimm.

6) Ainda nesse mesmo quarto ela encontra um CD: Trata-se de um álbum do LSD. Projeto do músico inglês Labrinth, da cantora australiana Sia e do DJ e produtor americano Diplo.

7) Um pôster da banda “The Verve” onde podemos ver claramente o rosto do vocalista Richard Ashcroft aparece no quarto de um dos jovens entrevistados por Júlia durante sua investigação.

8) Mas a Dra Kendall não está satisfeita em citar Lombroso! De lambuja, nas últimas páginas, ela cita uma frase de Stanton A. Samenow, do livro “Inside the criminal mind”, 1984, bem mais atual: “Não se pode entender a mente de um criminoso e prever seus movimentos se não se identificar com ele”. Essa frase será muito importante para entender a forma com qual Júlia mergulha em seus casos, por vezes custando muito de sua paz de espírito!

Por Dentro da Mente do Criminoso Netflix: Crítica (com Trailer ...

9) A história termina com o filósofo alemão que emprestou uma das suas mais famosas frases tanto para o título quanto para o último quadro: “Quem luta com os monstros deve tomar cuidado para não se tornar um monstro. Porque se você olhar a fundo dentro de um abismo, o abismo também vai olhar dentro de você”. Friedrich Nietzsche. Notam a conexão com a referência anterior?

Aquele que luta com monstros deve... Friedrich Nietzsche

Tudo isso em uma só edição, Berardi? Que páginas recheadas! Deu até mesmo para descobrir um dos principais dramas internos da protagonista! Será que coisa acabou por aí? Que nada! Eu já estava apaixonado por Júlia Kendall, e minha coleção estava apenas começando! Ainda mais porque a primeira edição de Júlia pertence a um arco de 3 histórias, das quais, a minha lista de compilação de referências estava apenas começando…

Número 2 aqui vou eu! Vejo vocês em breve!

Anteriores

OST/Original Soundtrack: Ken Parker, de Giancarlo Berardi e Ivo Milazzo

Próximo

Mister No: O mais Brasileiro dos personagens Bonellianos agora também na Red Dragon

  1. Andrécio

    Um grande quadrinho e uma grande matéria, do grande Marcos Guerra! Até o nº2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén