Após o lançamento de três edições limitadas, a Sergio Bonelli Editore anunciou a versão popular do Texone Especial de Cláudio Villa. Aqui no Brasil a edição é publicada em Tex Gigante. Tex – L’Inesorabile (Tex – O Implacável, em tradução livre) será a 35ª edição de Tex Especial, chamado carinhosamente de Texone, a ser lançada dia 22 de fevereiro, com 240 páginas, roteiro de Mauro Boselli e os desenhos e capa de Claudio Villa.

A história fala dos três irmãos Logan, nascidos de mães diferentes, mas todos igualmente perigosos. De Tucson aos desertos do México, entre os bandidos de Harry, os Mescaleros de Simon e os bandidos mexicanos de Manuel, Tex caça os irmãos para vingar a morte de seus amigos.

Depois de anos de espera, teremos em mãos o já lendário Texone de Cláudio Villa!

O Texone é um objeto cultuado pelos fãs de Tex. Lançado anualmente, a série nasceu em 1988 e em 2020 chega à sua 35ª edição. Idealizado por Sergio Bonelli, com o tempo os Texones se tornam cada vez mais importantes, não só pelas histórias, mas pela qualidade que sempre traz de seus desenhistas.

Os roteiros são sempre de ótima qualidade e já passaram nomes como: Claudio Nizzi, Mauro Boselli, Gino D’Antonio, Guido Nolitta (pseudônimo de Sergio Bonelli, que escreveu apenas o álbum “Os Rebeldes de Cuba”, depois roteirizado por Boselli), Gianfranco Manfredi, Pasquale Ruju, Tito Faraci … a lista é longa.

Geralmente publicadas no verão, dois Texones saíram no inverno: O Homem de Atlanta (1996) e As Hienas de Lamont (2011). As capas são feitas pelo mesmo desenhista da história, diferente da série regular e outros volumes de Tex, que são feitos exclusivamente desde 1994 por Claudio Villa, mas já retornaremos ao seu nome.

O Texone de 2020 já foi adiantado em novembro de 2019 em edições especiais de luxo e tiragem limitada. Tex – O Implacável é duplamente importante porque traz o já mencionado Claudio Villa desenhando seu primeiro Texone, com tema e roteiro de Mauro Boselli. Um trabalho menos “posterizado” de Villa, em imagens em sequência de tirar o fôlego.

Villa, nasceu em 1959 em Lomazzo (província de Como), crescendo artisticamente no estúdio de Franco Bignotti e cuidando de produtos para a Bonelli como Mister No, Zagor e Martin Mystère. Desde 1982 trabalha na Sergio Bonelli Editore, onde fez um pouco de tudo, inclusive ajudar a criar graficamente Dylan Dog junto ao seu autor Tiziano Sclavi. Já chegou a fazer alguns trabalhos para a Marvel em 2006, desenhando uma história do Demolidor e Capitão América.

Acima de tudo, ele foi contratado para criar uma série quase infinita de capas de Tex a partir da edição 401 da série regular, que o tornou o segundo maior capista de Tex após Aurelio “Galep” Galleppini, o criador gráfico do Ranger. Villa faz todas as novas capas de Tex e após a colaboração da Bonelli com o Gruppo Editoriale L’Espresso, produziu as capas para a edição colorida de banca que o manteve ocupado de 2007 a 2011.

O trabalho de um capista é muito complexo e requer muito estudo. É uma abordagem de histórias escritas e desenhadas por outros (incluindo as caracterizações de personagens e cenários secundários). O maior problema é chamar a atenção para a história em uma única imagem. É uma síntese, uma fotografia particular, resultado colaborativo com os outros profissionais da editora, porque também envolve marketing e distribuição. Em suma, Villa fez durante anos um daqueles trabalhos que parecem fáceis, mas que na verdade leva todas as horas disponíveis.

Por isso, Tex O Implacável, concebida para a série regular e escrita por Boselli no início dos anos 2000, em certo ponto encalhou. Acontece. Nesses casos, o roteiro é “congelado” enquanto o desenho permanece pendente. As 226 páginas de quadrinhos levaram tempo e não foram forçadas e foi o próprio Sergio Bonelli quem disse que a história teria sido perfeita para um Texone.

A carga de trabalho bloqueou Villa por anos. Após o extraordinário compromisso de capas extras, Villa voltou a trabalhar em seu Texone e terminou. O medo que houvesse uma diferença muito grande nos traços da primeira para a segunda parte da história, separadas por uma década não aconteceu. Segundo Villa, seu trabalho como capista manteve seu traço inabalável durante todo este tempo.

O Texone de Villa é um dos mais poderosos de todos os tempos. A técnica que Villa usa é robusta, ágil e incrível. Tex é grande e resistente, Kit Carson é feito de pedra e couro, ainda mais “esculpido” e lendário. Os índios estão realmente assustadores (incluindo Jack Tigre”) e até o “jovem” Kit Willer é um homem, maduro e robusto, longe de ser um garoto. A história se desenrola em um longo prólogo que nos familiariza com os bandidos e os mocinhos e nos mantém colados página após página a uma aventura com várias reviravoltas. O roteiro de Boselli não é colocado em segundo plano pela arte de Villa.

Tex de Villa é de uma intensidade quase maior do que poderia se esperar em uma história tão grande. O formato gigante da edição só colabora com o aproveitamento da arte. É uma obra que coroa o trabalho de Claudio Villa como um dos maiores desenhistas internacionais.

Tex – O Implacável é um Texone para colecionar.

Fonte: https://www.sergiobonelli.it/tex/2020/01/08/albo/tex-l-inesorabile-1007588/

https://www.fumettologica.it/2019/12/tex-inesorabile-boselli-villa-texone-bonelli/