Dica de trilha para ouvir enquanto lê. Nada melhor pra combinar com Nick Raider do que a trilha de Um Tira da Pesada, com Eddie Murphy:

Esta é uma das séries mais divertidas da Bonelli. Nick Raider: Divisão de Homicídios. Claro, que pelos personagens investigarem homicídios ela mantém um tom mórbido e de violência, porém os personagens são muito bem construídos, personalidades fortes, divertidos e que nos puxam, leitores, a investigar e fazer parte da história com eles. A série retorna às bancas brasileiras em maio e merece aqui no Confraria um bom embasamento para leitores que virão a conhecer a série e aqueles que querem matar a saudade.

A série policial da Sergio Bonelli Editore, Nick Raider, foi criada por Claudio Nizzi (ao lado), famoso escritor de Tex e publicada de 1988 a 2005 em 200 números. Na grande maioria das capas há um contorno amarelo envolvendo a imagem principal. Este quadrinho mistura as atmosferas do thriller e romance policial com o noir. Nick Raider tem uma narrativa gráfica dinâmica, com elementos clássicos da narrativa policial e as tramas giram em torno de investigações bem detalhadas e desfechos com tiroteios e perseguições emocionantes.

Nizzi se inspirou no gênero policial que estava em alta na época e na série de romances do 87º Distrito, escrito por Ed McBain. Nizzi, que escreveu por anos Tex, levou um pouco da personalidade do herói do velho oeste para Nick Raider, que é um herói corajoso, habilidoso e sortudo, sempre tendo sucesso. É chamado de “O Tex de Nova York”.

Como em várias outras séries Bonelli, Nick Raider tem a aparência inspirada em um ator do cinema. Nick tem as feições do jovem Robert Mitchum (acima). Está sempre vestido com uma capa de chuva sobre os ombos e uma arma presa ao cinto.

O quadrinho estreou em 1988 publicado pela Daim Press (futura Sergio Bonelli Editore) e encerrou em janeiro de 2005 devido às baixas vendas. Além das 200 edições da série regular, foram publicados anuais desde 1989. De 1993 a 2004, Nick Raider ganhou um almanaque com histórias inéditas e artigos sobre o gênero policial.

Entre os autores que participaram da série estão, Gianfranco Manfredi, Michele Medda, Tito Faraci, Gino D’Antonio, e muitos outros. Desenharam a série Aldo Capitanio, Bruno Ramella, Ivo MIlazzo, Sergio Toppi e outras feras. Do nº 1 ao 43 as capas foram feitas por Giampiero Casertano e Bruno Ramella assumiu da nº 44 até 99. Da 100 até a 200, quem desenhou foi Corrado Mastantuono.

Quem é Nick Raider?

Raider é um investigador da Divisão de Homicídios de Nova York que, junto ao seu parceiro Marvin Brown investiga crimes de homicídio (claro) na Big Apple. O líder da Divisão é o tenente Arthur Rayan, que falha em controlar o gênio explosivo de Raider e defende a burocracia e o ostracismo de seu chefe, o capitão Vance, que Nick chama de “Oi Querida”, pois ele sempre está ao telefone com a esposa.

Não há vilões na série, pois cada história traz um caso a ser resolvido pela Divisão. A única força do mal que é recorrente é o chefão da máfia Luca Clementi, líder da organização criminosa Cruz Negra.

De origem italiana, o pai de Nick também foi policial, porém uma série de discussões fez ele se afastar de seu pai, principalmente pelo pai ter agravado as condições de saúde da mãe de Nick. Quando jovem Nick sai de casa e volta apenas quando o pai vem a falecer. A mãe é internada em um hospital psiquiátrico. Algumas experiências fazem com que Nick entenda melhor a figura do pai, recuperando o carinho por ele e o fazendo entrar na polícia para honrar a memória do pai.

Parceiros

Marvin Brown. Companheiro habitual do protagonista e inspirado em Eddie Murphy no filme Um Tira da Pesada. Pela época e pelas referências do início da década de 1990, vemos na relação de Nick e Marvin uma amizade, mas também várias brincadeiras racistas entre os dois. Marvin é um brincalhão e não chega a levar isso como ofensa.

Jimmy Garnet é um tímido investigador especializado em pesquisa e informática.

Alfie é um anão que sabe de tudo que acontece na cidade. É o principal informante de Nick e passa o dia jogando poker e jogos de azar em um bar.

Sargento Ward é um agente de serviço na central telefônica que passa o tempo contando piadas que não são engraçadas.

Dr. Bloom: um médico legista com senso de humor muito ligado ao assunto “cadáveres”.

Mary Ford: agente detetive com quem às vezes Nick tem aventuras românticas.

No Brasil

Nick Raider foi publicado primeiramente pela Editora Record, em formato original italiano em 1991. Durou apenas 10 edições e foi cancelada.

Dez anos depois a Editora Mythos publicou a série de agosto de 2002 a fevereiro de 2004 também com vida curta. Apenas 16 edições.

Tanto na Record quanto na Mythos respeitou-se a maneira das capas com os contornos amarelos nas bordas. A Mythos fez algumas em branco.

Em maio Nick Raider volta às bancas brasileiras mais uma vez pela Editora Mythos. Estão programadas quatro edições para este ano, com 96 páginas cada uma em formato original italiano.

Que os leitores conheçam e gostem bastante. É uma série que vale muito a pena!

Viva Bonelli!